Um dos alvos da Operação Trapiche – ofensiva aberta nesta quarta, 8, para desmantelar atos preparatórios de terrorismo contra prédios da comunidade judaica no Brasil – admitiu, em depoimento à o recrutamento pelo grupo radical Hezbollah.

O investigado em questão foi alvo de buscas da Trapiche, que vasculhou onze endereços em dois Estados e no Distrito Federal. Dois homens foram presos no bojo da ofensiva: um foi detido em uma panificadora e outro capturado no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Junto do alvo localizado quando desembarcava no Brasil, a PF apreendeu US$ 5 mil. Os investigadores visam descobrir a origem do valor. Eles querem saber se o montante foi entregue pelo Hezbollah para bancar eventual ataque no País.

A Polícia Federal ainda inseriu mandados de prisão contra outros dois alvos, que estariam no Líbano, na de difusão vermelha da Interpol – a relação dos mais procurados da polícia internacional.

Segundo os investigadores, o grupo sob suspeita planejava ataques contra prédios da comunidade judaica no Brasil. O grupo já estaria inclusive ‘monitorando’ alguns alvos, como sinagogas, fazendo fotos de tais locais.

Ao longo do inquérito foi constatado que alguns dos investigados viajaram para Beirute, para encontros com o Hezbollah. As apurações tiveram início com informações colhidas pela inteligência dos e de Israel.