O Aeroporto de Congonhas ainda enfrenta reflexos do problema com o trem de pouso de um avião de pequeno porte nesta quinta-feira, 2, na zona sul da cidade de . Pelo menos 10 voos foram cancelados na manhã deste feriado de Finados, chegando a ao menos 23 cancelamentos desde a noite anterior, com o fechamento da por cerca de duas horas. Entre os cancelamentos desta manhã, estão voos para , , Curitiba, Porto Alegre, Brasília, Goiânia, Florianópolis, São José do Rio Preto e Vitória. Também são registrados atrasos.

Segundo a Aena, concessionária responsável pelo aeroporto, a pista foi liberada para pousos e decolagens às 21h49, após a retirada do avião. A operação foi prorrogada em uma hora, até a meia-noite. Ao menos 17 voos foram transferidos para outros terminais de São Paulo, como os aeroportos de Viracopos, em Campinas, e de Cumbica, em Guarulhos. Não houve feridos.

Por volta das 19h50 de quarta-feira, 1º, uma pequena aeronave de modelo Piper Aircraft PA-42 teve problemas durante a aterrissagem. O voo era procedente de Cuiabá. “A aeronave realizava transporte aeromédico e o passageiro foi retirado imediatamente pela equipe médica do aeroporto, em segurança”, informou a concessionária.

A Aena orienta os passageiros afetados a entrarem em contato com as companhias aéreas. O Estadão procurou as três principais empresas que operam em Congonhas. Em nota, a Azul apontou que o fechamento temporário resultou no cancelamento de ao menos seis voos e a transferência de cinco pousos (advindos de Brasília, Curitiba, e Rio de Janeiro) para os aeroportos de Guarulhos e Campinas. A companhia salientou que as operações em Congonhas estão retomadas e que “os clientes estão recebendo toda a assistência necessária”.

Já a Gol apontou que a operação está normalizada em Congonhas. Segundo a empresa, nove voos foram cancelados e oito foram transferidos para outros aeroportos na noite de quarta-feira. “A empresa ressalta que os clientes estão recebendo as devidas facilidades e sendo remarcados para os próximos voos da companhia”, apontou.

A informou, por sua vez, que “reorganiza de forma gradual a sua malha aérea prejudicada por cancelamentos e desvios de voos após a interdição do aeroporto de Congonhas”. Além disso, destacou que presta “assistência necessária aos clientes afetados por esta situação totalmente alheia ao controle da Latam” e orientou os passageiros a consultar o status do voo antes de se dirigir aos aeroportos.

Saiba Mais