A Funai (Fundação Nacional do Índio) emitiu nota negando que o presidente Marcelo Xavier tenha sido expulso da 16ª Assembleia Geral do Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e o Caribe (Filac).

Conforme a nota, o ex-servidor da Funai, Ricardo Rao, exonerado em 2020, proferiu agressões verbais contra o presidente da Funai, que optou por sair voluntariamente do local e não por expulsão.

Ainda segundo a Funai, o ex-servidor seria um ‘mero invasor’ e não há que se falar em ‘expulsão’, uma vez que ele não fazia parte da organização do evento.

Na época do ocorrido, circularam vídeos mostrando Ricardo Rao denunciando a presença de Marcelo Xavier. Rao afirmava que o presidente da instituição não tinha porque estar ali. Em seguida, Xavier deixa o local do evento.

“Esse homem não pertence aqui”, gritou Ricardo Rao, exonerado da Funai em 2020. O ex-servidor vive na Europa em um autoexílio após sofrer uma série de ameaças durante o seu trabalho de fiscalização na fundação. “Esse homem é um assassino, esse homem é um miliciano”, completou.

Por fim, ele ainda acusa o presidente da Funai pela morte de Bruno (Pereira) e Dom Phillips.