Brasil

Juiz proíbe entrevistas do “Vermelho”, responsável por hackear Moro e Deltan

Alçado ao centro do noticiário em meados de 2019, quando foi preso pela PF (Polícia Federal) sob acusação de invadir e roubar mensagens de celulares de autoridades, Walter Delgatti Neto, o “Vermelho”, deve ficar longe dos holofotes nos próximos meses. Em audiência nesta quinta-feira (25), o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito […]

Agência Estado Publicado em 26/02/2021, às 09h47

"Vermelho" é líder do grupo de hackers que invadiram o celular do ex-ministro Sérgio Moro. (Foto: Reprodução/AFP/ CP Memória)
"Vermelho" é líder do grupo de hackers que invadiram o celular do ex-ministro Sérgio Moro. (Foto: Reprodução/AFP/ CP Memória) - "Vermelho" é líder do grupo de hackers que invadiram o celular do ex-ministro Sérgio Moro. (Foto: Reprodução/AFP/ CP Memória)

Alçado ao centro do noticiário em meados de 2019, quando foi preso pela PF (Polícia Federal) sob acusação de invadir e roubar mensagens de celulares de autoridades, Walter Delgatti Neto, o “Vermelho”, deve ficar longe dos holofotes nos próximos meses. Em audiência nesta quinta-feira (25), o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, responsável pelo processo aberto na esteira do ataque cibernético, avisou que qualquer nova entrevista ou vazamento de informações sobre o caso pode levá-lo de volta à prisão. “Se você realmente reincidir e comentar a respeito deste processo, não tem outra alternativa que não a sua volta à prisão”, avisou o magistrado. “Para sua segurança, por favor, não se exponha”, acrescentou.

O juiz avisou que determinou uma fiscalização da Polícia Federal para monitorar eventuais descumprimentos da ordem judicial. “Você está cumprindo medidas cautelares. Então a sua situação é bastante instável. Veja as outras pessoas que estão sendo processadas. Elas não dão entrevistas, elas estão cumprindo (as medidas). Qualquer dúvida elas vêm aqui ao juízo: se pode ou não trabalhar, qual é o termo da decisão (…). Bem diferente do que você fez. Essa questão de expor conteúdo de mensagem que está sendo apurado, realmente viola a privacidade das pessoas”, explicou.

A sessão foi marcada para decidir sobre um novo pedido do Ministério Público Federal (MPF) para mandar Delgatti de volta à cadeia. Na avaliação da Procuradoria, ele violou as medidas cautelares impostas pela Justiça ao acessar a internet para conceder entrevistas sobre as mensagens hackeadas.

“Não só as pessoas inicialmente atingidas, mas outras autoridades que nem tem por sinal contato direto com a questão de fundo, também estão tendo sua honra maculada com essas entrevistas”, defendeu o representante do MPF na audiência.

Neste momento, o juiz negou o pedido, com a ressalva de que qualquer nova violação poderá ser sucedida por uma ordem de prisão. O magistrado observou que o hacker já teria burlado outras proibições, como na ocasião em que concedeu entrevista a veículos de imprensa por meio dos antigos advogados durante audiências na prisão.

“É uma conduta que vem se repetindo. Sempre falando coisas desse processo, vinculando esta investigação. Ele extrapolou essa questão falando das mensagens. Ele está sendo processado justamente sob essa acusação, de invasão de dispositivos informáticos, então realmente não fica bem, viola o bem jurídico de intimidade essa questão dele dar publicidade ao que ele teria hackeado”, disse.

Antes de decidir, o juiz ouvir o advogado Ariovaldo Moreira e o próprio Walter Delgatti. Os dois se comprometeram a por fim às entrevistas sobre o caso. A defesa justificou que as declarações foram intermediadas pelo advogado, de modo que o hacker não acessou diretamente a internet.

“No dia, eu acessei a entrevista, porque o advogado ligou um cabo no computador e o monitor de televisão. Eu entendi que, como eu estava em frente à televisão assistindo e falando, eu não estava utilizando a internet. Eu não sabia que eu não podia falar sobre os hackeados, entre aspas. Eu não tinha esse conhecimento. Então foi esse o motivo pelo qual eu acabei falando. Mas eu peço desculpas, eu garanto que em hipótese alguma eu considerei outra entrevista e estou arrependido”, disse Delgatti ao juiz.

Jornal Midiamax