Nesta sexta-feira (29), semana em que a anunciou que entrará com o pedido para uso emergência de seu imunizante para crianças no Brasil, a Agência Nacional de vigilância Sanitária () anunciou que cinco funcionários receberam ameaças por um e-mail do mesmo remetente, cujo autor é um homem do Paraná que possui filho de 5 a 11 anos, a idade exata não foi divulgada.

A coluna do Jornal G1 apurou que as intimidações exigiam que o pedido de uso da vacina contra a em crianças que será feito pela Pfizer, não seja aprovado.

O homem ameaçou os funcionários, e disse também que irá retirar a criança da escola e optar pelo modelo de “Homescholling” caso a vacina seja obrigatória.

“Deixando bem claro para os responsáveis, de cima a baixo: quem ameaçar, quem atentar contra a segurança do meu filho: será morto”, disse o homem. Apesar do tom do texto, ele alega: “Isso não é uma ameaça. É um estabelecimento. Estou lhes notando por escrito porque não quero reclamações depois”.

As autoridades policiais e o Ministério Público já foram notificados, nos âmbitos federal, estadual e distrital para adoção das medidas cabíveis.