Capitão já teria agredido também menores em situação de rua, e nunca foi punido

O capitão da Polícia Militar de Goiás, Augusto Sampaio de Oliveira Neto, afastado por ter agredido com um cacetete o estudante Mateus Ferreira, 33 anos, já se envolveu em pelo menos quatro ocorrências de agressão.

Os casos ocorreram entre 2008 e 2010. De acordo com o portal G1 de Goiás, algumas das ocorrências foram contra menores em situações de rua. Entretanto, o capitão acumula 34 elogios em sua ficha funcional, e nenhuma punição.

Mateus, que cursava Ciências Sociais na Universidade Federal de Goiás, está internado em estado grave na UTI do Hugo (Hospital de Urgências de Goiás). Ele teve traumatismo craniano e diversas fraturas no rosto.

Imagens capturadas por um cinegrafista amador registraram o momento da agressão, em que o cacetete do capitão Augusto Sampaio se rompe na cabeça do estudante.

O comandante geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Divino Alves de Oliveira, explicou que Sampaio ficará exercendo apenas atividades administrativas enquanto o Inquérito Policial Militar que investiga a conduta dele não é concluído.

Em nota, a corporação explicou que instaurou o procedimento na última sexta-feira “diante das imagens que circulam em redes sociais, quando da intervenção policial militar, que mostram a clara agressão sofrida” pelo estudante.

O comando da PM já havia destacado que “condena veementemente todo e qualquer tipo agressão praticada por policias militares no exercício de sua função, não compactuando com atos que possam afrontar os princípios da ética, moral e legalidade”.

(com supervisão de Ludyney Moura)