“Não existiu estupro”, afirma Alessandro Thiers

Uma conversa em um grupo no aplicativo WhatsApp, divulgada pelo jornal Extra, mostra o delegado Alessandro Thiers, titular da DRCI (Delegacia de Repressão a Crimes de Informática) e que cuidava do caso do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio, desqualificando o depoimento e afirmando que não houve estupro.

“Alguns esclarecimentos sobre os fatos”, inicia o delegado. O “termo de declaração da adolescente foi filmado”, prossegue, e depois diz que a vítima teria mentido na entrevista ao programa ‘Fantástico’, da Rede Globo. “No ‘Fantástico’ era outra pessoa. Sabe que temos fortes indícios de que não existiu estupro”.

O delegado ainda fala, segundo o Extra, sobre o estado do órgão genital da moça no vídeo. Ele afirma que o número alegado, de que 33 homens teriam envolvimento com o crime, teria sido inventado em alusão a uma letra de funk. “Os 33 no vídeo foi alusão a um funk onde diz ‘mais de 20 engravidou’ (sic), onde o autor do vídeo diz que engravidou mais de 30 em alusão ao funk para tirar onda de ‘comedor'”, afirma.

(Sob supervisão de Daiane Libero)