Variedades / Saúde

Acariciar gatos pode ser perigoso e causar até a morte, diz pesquisa

Cientistas alertam para "doença da arranhadura"

Norberto Liberator Publicado em 20/09/2016, às 14h59

None
quatro-gatinhos.jpg

Cientistas alertam para "doença da arranhadura"

Acariciar um gatinho pode te fazer se sentir melhor – e a ele também. No entanto, isso pode ser perigoso para sua saúde, de acordo com um grupo de cientistas do Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Os médicos fizeram uma série de pesquisas sobre a DAG (“doença da arranhadura do gato”), causada por bactérias provenientes de felinos, e chegaram à conclusão de que fazer cafuné, abraçar e beijar gatos podem ser atividades perigosas com potencial para causar até mesmo a morte.

Em entrevista ao jornal britânico The Telegraph, a pesquisadora Christina Nelson – membro do grupo que realizou os testes – afirma que os impactos da DAG são “um pouco maiores” do os especialistas haviam estimado.

A DAG é prevenível. Se identificarmos populações em risco de contrair a doença, nós poderemos focar os esforços de prevenção”. A zoonose, também chamada de “febre da arranhadura” ou “doença de Teeny”, é causada quando uma pessoa é arranhada por um animal infectado. Gatos de rua têm mais risco de apresentar a patologia.

Os pesquisadores pedem para donos de gatos terem mais cuidado e evitar o contato de seus bichanos com os felinos de rua, na medida do possível, e recomendam que se evite beijar os animais.

Apesar de ser mais recorrente do que se imaginava, os “gateiros” podem ficar tranquilos, pois a doença continua sendo considerada rara: a taxa anual de incidência é de 4,5 casos a cada 100 mil pessoas que convivem com os bichinhos.

Jornal Midiamax