A ideia veio da Holanda e já é uma realidade em São Paulo, mas deverá ir para outros estados em 2014. O Cinesolar funciona com luz do Sol com sessões ao ar livre

Que tal aproveitar um filme ao ar livre? Essa é a proposta do Cinesolar, projeto holandês que une arte, sustentabilidade e cinema e já circula no Brasil desde julho. A ideia do Cinesolar é promover cinemas solares em todo o mundo.

Aqui, o projeto passou a existir com a parceira da Brazucah Produções, a Associação Cultural Simbora e a Semearte Prodúctil.

O grupo viaja com um carro equipado com placas no teto, que são capazes de captar a energia solar e transformá-la em energia elétrica. Além disso, o automóvel conta com uma bateria de armazenamento que captura até 20 horas de carga de energia.

“Dentro do carro temos também toda a estrutura para montagem das exibições e apresentações: cadeiras, tela de cinema, sistema de projeção, som e até cabine de DJ. Transformamos qualquer espaço em uma sala de cinema ao ar livre”, diz Cynthia Alario, sócia-diretora da Brazucah Produções e idealizadora do Cinesolar.

Por enquanto, a proposta percorre apenas cidades do estado de São Paulo, mas os planos de 2014 são de expansão.

“Iniciamos o projeto em julho deste ano e já fizemos um circuito nos CEUs (Centro EducacionaL Unificado) com apoio da Secretaria de Educação. Reunimos mais de 2.500 pessoas, entre alunos e moradores das periferias da cidade. Também passamos pela cidades de Sorocaba e Sertãozinho, no interior de São Paulo”, afirma Cynthia.

Como o carro tem a proposta de ser um difusor da cinematografia brasileira, a ideia é alcançar municípios que não têm acesso a salas de cinema.

“Por isso, em 2014 faremos mais um circuito no estado de São Paulo que será patrocinado pelo Instituto Votorantim. E ainda estamos programando passar pela Bahia, em janeiro, e depois seguir para Brasília. A proposta é circular por mais regiões do país em 2014”, ressalta a idealizadora.

A escolha dos filmes exibidos não é aleatória: todos têm relação com a sustentabilidade. “Sempre optamos por filmes que abordem um dos três eixos principais: meio ambiente, social e econômico. E ainda priorizamos o cinema brasileiro, curta-metragens e películas que dialoguem com todos os públicos, da criança ao idoso”, explica.