Publieditorial

Lumen Parto Domiciliar Planejado oferece resgate do protagonismo familiar no cenário do parto

Três enfermeiras obstétricas relatam rotina da equipe e apoio familiar

Produção Publicado em 21/06/2021, às 07h00

Enfermeiras obstétricas têm capacitação e experiência em parto humanizado em Campo Grande
Enfermeiras obstétricas têm capacitação e experiência em parto humanizado em Campo Grande - Marcos Ermínio/Midiamax

Diferente de como muitos imaginam, o parto domiciliar planejado trata-se de uma assistência ao parto normal, assistido por profissionais capacitadas e experientes, que buscam a humanização do processo aliado à valorização e ao empoderamento da mulher que, com os recursos necessários, se torna a condutora da sua própria gestação, parto e nascimento do bebê.

São esses os conceitos pregados e praticados pelas profissionais da Lumen Parto Domiciliar Planejado, que conta com três profissionais treinadas e uma infraestrutura moderna para planejar, acompanhar, orientar e assistir ao parto humanizado ao lado da mãe.

A Lumen Parto Domiciliar Planejado foi fundada em Campo Grande há cerca de um ano e meio pela enfermeira obstetra Luciana de Paula, que convidou as também enfermeiras obstetras Mayara Ferreira da Silva e Layla Corrêa para fazer parte da equipe, que conta ainda com mais duas enfermeiras obstétricas backup, equipamentos modernos e parcerias com outros profissionais.

O trabalho da Lumen Parto Domiciliar Planejado tem início logo no primeiro contato com a gestante e sua família. Para ser assistida em casa durante seu parto, ela precisa estar em uma gestação de risco habitual, não ter nenhuma doença como diabetes e hipertensão, além de morar perto de um hospital de retaguarda.

“Quando uma família nos procura, nós não passamos o preço pelo celular e pronto. Primeiro marcamos uma conversa gratuita, onde todo o processo é explicado: os pontos positivos, os contras, critérios de elegibilidade, avaliamos se a gestante pode ser assistida em casa e valores. Ou seja, todas as informações são repassadas para a gestante nessa conversa que chamamos de Boas-Vindas”, disse Luciana.

As enfermeiras explicam que o ideal é que a gestantes procurem a Lumen antes de 35 semanas e alerta que quanto mais cedo a assistência começar, melhor. “Porque nós, além de assistirmos o parto, acompanhamos a gestante, criamos um vínculo com ela, com a família”, comentou Mayara, reforçando que a construção desse laço é importante para no fim, entregar o protagonismo do parto para a mulher.

Parto humanizado e parto normal

Luciana explica que muitas pessoas ainda possuem dúvidas sobre o parto domiciliar planejado e acabam imaginando ser um “parto normal em casa”, algo que vai além deste conceito.

Para elas, o parto é um processo de empoderamento da gestante, onde ela terá seu bebê em um ambiente que ela se sinta confortável, com alimentos que ela gosta, ao lado de pessoas que ela ama, com uma assistência personalizada, individual e baseada em evidências científicas; tudo isso aliado a segurança e plano B de transferência em uma possível intercorrência.

O trio comenta que apesar de o parto ser realizado em casa, não se pode confundir como algo amador. “Nós vamos até o local, levamos nossos materiais e ainda temos convênio com ambulância que fica de prontidão durante o trabalho de parto, ou seja, caso ocorra algo e a mãe precise ser levada para o hospital, seja por intercorrências ou vontade própria, não precisamos acionar o socorro e esperarmos por um longo tempo, já temos a ambulância na porta da casa da pessoa preparada para levá-la ao hospital”, comentou Layla.

Como funciona

A primeira reunião oferecida pela Lumen Parto Domiciliar Planejado é gratuita, momento em que as profissionais apresentam todo o trabalho, como será realizado e o mais importante “já começamos a criar um laço com a gestante, a partir dessa conversa”.

Caso a gestante se interesse e opte pelos serviços da Lumen Parto Domiciliar Planejado, é agendado o primeiro encontro, onde será planejado todo o processo de visitas a casa da gestante, acompanhamento das próximas consultas de pré-natal, análise dos exames, conversas e diversas outras medidas que são explicados nesse primeiro encontro.

No dia do parto, a gestante, o marido ou algum outro familiar entra em contato com as profissionais que vão até à casa da grávida e então se inicia a assistência ao parto, onde a condutora é a mulher, sendo amparada e orientada, além de monitorados, gestante e bebê, pelas profissionais ali presentes. As profissionais oferecem a banheira para o parto, bola suíça, aroma terapia, massagem, compressas, e spinning babies ® para alívio da dor e movimentações durante o trabalho de parto e avalições materna e fetal.

[Colocar ALT]
Elica relata que se sentiu muito confortável no parto. 

E foi dessa forma que Elica Domingues, 24 anos, realizou seu parto. A puérpera, ainda gestante na época, comentou que possuía um “certo medo” de ambientes hospitalares e por conta disso decidiu entrar em contato com a Lumen Parto Domiciliar Planejado e após meses de acompanhamento considerou o trabalho exercido pelas profissionais como “excepcional e maravilhoso”.

“Muita gente fala do parto como um momento doloroso, sofrido e foi então que eu as conheci e elas me passaram como tudo funcionava e eu decidi por realizar o meu parto com elas. Foi tudo maravilhoso, as consultas, os detalhes a atenção que elas dão foram me deixando calma e tranquila para quando chegasse o momento mesmo [do parto]”, comentou Elica.

Elica resume toda experiência do parto como “maravilhosa”, ela comenta que muitos perguntam sobre como foi o momento do nascimento e a agora, já mãe, sempre responde que foi um momento gostoso, “as pessoas ainda se assuntam, como assim um parto foi gostoso?”, brincou. “Mas o apoio e cuidados delas acabou nos deixando muito confortáveis”, disse Elica.

Para Ana Paula Velasques, de 25 anos, que precisou de uma interferência hospitalar para avaliação durante o parto, ficou evidente o grande contraste entre ter uma assistência humanizada e não tê-la. “Os acadêmicos nos trataram bem, mas comparando ambientes, é muito mais frio do que a nossa casa, de ter a segurança do lar”.

Ana também destaca que não recebeu orientação de forçar o parto com a assistência da Lumen, como nos filmes, com aquela ‘gritaria’ para o bebê nascer. “Me assustei tanto durante o círculo de fogo [quando o bebê coroa na saída da vagina] e eu perguntei ‘o que eu faço?’ Porque eu esperava que alguém fosse falar ‘empurra, respira!’. Mas as meninas foram muito respeitosas e disseram ‘deixa o teu corpo agir’. Isso foi sensacional pra mim”.

Assim como o famoso ‘exame de toque’. “Não faz parte da filosofia delas fazer isso diversas vezes, um exame invasivo. Tenho relatos de amigas que passaram por diversos toques no parto e elas evitam ao máximo fazer tudo o que é mais invasivo. A ideia é tentar ser o mais natural possível”, finaliza.

Como já dito anteriormente, as mulheres e famílias que se interessaram pela realização do parto domiciliar planejado ou ainda possuem dúvidas sobre o assunto, a primeira reunião entre as profissionais da Lumen Parto Domiciliar Planejado é gratuita e, por conta da pandemia, realizada online.

Tanto para dar informações como para marcar a primeira conversa, os pais podem entrar em contato através do WhatsApp (67) 98130-7505, pelo Instagram @lumen_partodomiciliar ou então acessar o site www.lumenpartodomiciliar.com.br, e lá no Instagram as profissionais disponibilizaram um drive com informações sobre o ciclo gravídico-puerperal para todas as famílias que desejarem aprender mais sobre o assunto.

Imagens cedidas | Mari Camilo Fografia
Jornal Midiamax