Política / Transparência

Prefeitura de Campo Grande abre nova licitação de R$ 5,1 milhões para concluir Centro de Belas Artes

Espaço chegou a ter contrato com empresa para retomada, mas foi rescindido

Mayara Bueno Publicado em 13/10/2021, às 06h59 - Atualizado às 07h25

Croqui do projeto do Centro Municipal de Belas Artes
Croqui do projeto do Centro Municipal de Belas Artes - Foto: Reprodução, PMCG, MTur, Arquivo

A Prefeitura de Campo Grande abriu, nesta quarta-feira (13), nova licitação, desta vez de R$ 5.178.240,38, para concluir o Centro de Belas Artes, no Bairro Cabreúva. A obra, cujo projeto original era instalação da rodoviária da cidade, mas que teve a finalidade modificada posteriormente, teve contrato rescindido no capítulo mais recente.

Em 2020, o município abriu concorrência para retomada e chegou a contratar a vencedora no certame, Vale Engenharia e Construções, por R$ 3.175.125,66. Porém,  processo judicial envolvendo a construção paralisou seu reinício. Os preços contratados se tornaram 'inexequíveis', durante o desenrolar da ação, afirmou o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fioresi, em abril deste ano.

A informação na época foi de que a secretaria estava atualizando o orçamento da obra para abrir um novo certame. O aviso está no Diário Oficial da União e o edital pode ser conferido no Portal da Transparência de Campo Grande, clicando aqui. Os envelopes com a documentação de habilitação e a proposta deverão ser entregues até as 9h de 17 de novembro de 2021.

Contrato rescindido

A previsão era que a obra durasse 270 dias ao custo de R$ 3.175.125,66. Os recursos sairão da secretaria e do Finisa — linha de crédito contratada junto ao Governo Federal e operada pela Caixa Econômica Federal.

A obra envolve 20% do prédio, dentro de convênio com o Ministério do Turismo, e precisa ser concluída para as demais partes do prédio serem finalizadas. Ela também já permitiria o início do uso do espaço, projetado nos anos 1990 para ser a nova rodoviária da cidade, mas que acabou abandonado.

Em 2007, o imóvel teve nova destinação. No ano seguinte, foi fechado convênio com o Ministério do Turismo na ordem de R$ 5,8 milhões, que teve 80% concluído. A ideia é que o Belas Artes tenha salas de pintura, dança, música e teatro, sob gestão da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

*Matéria editada às 8h03 para acréscimo de informação quanto ao valor estimado no edital.

Jornal Midiamax