Política / Transparência

Porto Murtinho terá vacinação acompanhada de perto pelo MP

A Promotoria de Justiça de Porto Murtinho confirmou nesta segunda-feira (1º) a abertura de mais um procedimento administrativo visando ao acompanhamento da vacinação da população. A medida foi tomada em meio ao início da imunização contra o novo coronavírus (Covid-19) e de denúncias sobre pessoas que furaram a fila da imunização. Conforme o edital 0001/2021/PJ/PTM, […]

Danúbia Burema Publicado em 01/02/2021, às 07h44 - Atualizado às 07h53

Foto: Marcelo Camargo
Foto: Marcelo Camargo - Foto: Marcelo Camargo

A Promotoria de Justiça de Porto Murtinho confirmou nesta segunda-feira (1º) a abertura de mais um procedimento administrativo visando ao acompanhamento da vacinação da população. A medida foi tomada em meio ao início da imunização contra o novo coronavírus (Covid-19) e de denúncias sobre pessoas que furaram a fila da imunização.

Conforme o edital 0001/2021/PJ/PTM, publicado na edição do Diário Oficial do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o procedimento administrativo pretende “acompanhar as ações da gestão municipal para cumprimento do Programa Nacional de Imunizações, de forma a promover as medidas necessárias à ampliação da cobertura vacinal da população”. O edital é assinado pelo promotor Willian Marra Silva Júnior, que atua em substituição legal.

Apesar de não citar abertamente a vacina contra a Covid-19, que vem sendo gradualmente distribuída em Mato Grosso do Sul, o procedimento surge ao mesmo tempo em que mais de 10 cidades do Estado abriram apurações sobre a aplicação do imunizante na população e de suspeitas sobre pessoas que furaram a fila para receberem a vacina.

A primeira denúncia recaiu sobre o prefeito de Nioaque e recém-eleito presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Valdir Júnior (PSDB), 37 anos, que recebeu uma dose de CoronaVac durante ação na Aldeia Brejão, no município.

A ordem de vacinação é definida pelo PNI (Plano Nacional de Imunização), que, nesta primeira etapa, colocou como prioridade a imunização de profissionais de Saúde na linha de frente do combate à pandemia, indígenas em aldeias rurais (considerados uma população vulnerável), idosos e portadores de deficiência em instituições de longa permanência. Agora, terá início a imunização da população acima de 80 anos.

Jornal Midiamax