Política / Transparência

Após doação e com quatro aviões, Governo de MS quer contratar empresa de táxi-aéreo

Na mesma semana em que doou um dos aviões da frota ao estado do Acre, o Governo de Mato Grosso do Sul lançou pregão eletrônico para contratar empresa de táxi-aéreo. Atualmente, o Estado tem cinco aeronaves. Um monomotor Beechcraft Bonanza A-36, prefixo PT-KIP, com seis lugares, passou a integrar a frota do Ciopaer (Centro Integrado […]

Adriel Mattos Publicado em 27/01/2021, às 11h35 - Atualizado em 28/01/2021, às 12h04

Beech A36 Bonanza, quando ainda pertencia ao governo de MS. (Foto: Lucas Gabardo, JetPhotos)
Beech A36 Bonanza, quando ainda pertencia ao governo de MS. (Foto: Lucas Gabardo, JetPhotos) - Beech A36 Bonanza, quando ainda pertencia ao governo de MS. (Foto: Lucas Gabardo, JetPhotos)

Na mesma semana em que doou um dos aviões da frota ao estado do Acre, o Governo de Mato Grosso do Sul lançou pregão eletrônico para contratar empresa de táxi-aéreo. Atualmente, o Estado tem cinco aeronaves.

Um monomotor Beechcraft Bonanza A-36, prefixo PT-KIP, com seis lugares, passou a integrar a frota do Ciopaer (Centro Integrado de Operações Aéreas) do Acre. Segundo o governo local, a aeronave foi integrada à frota no sábado (23). O governo de Mato Grosso do Sul não divulgou a doação.

Segundo a Agência Acre, o avião foi doado pelo MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública). Ele já pertenceu aos estados de São Paulo e do Paraná e estava pelo menos há dois anos em Mato Grosso do Sul. 

Apesar da doação, nesta terça-feira (26), a SAD (Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização) abriu licitação de registro de preço para contratar uma empresa de táxi-aéreo. A sessão do pregão foi agendada para as 8h de 9 de fevereiro.

Em nota, a SAD informou que o Bonanza foi cedido ao Estado pela União, “que entendeu e optou pelo retorno ao órgão de destino, pelo fato da aeronave não ter capacidade de operação técnica, não se enquadrando portanto, à necessidade do Governo de MS”.

Sobre a locação de outra aeronave, a secretaria justificou que o ato se dará por meio de registro de preços, “o que representa que o Estado utilizará à medida que necessitar dos serviços, estes, ocorrerão somente caso as aeronaves oficiais do Estado estejam em manutenção ou haja necessidade simultânea de voos”.

Por fim, a pasta não detalhou quanto vai custar esse serviço, já que se trata de locação sobressalente e não há previsão de quantas horas/voo o governo irá contratar.

Em relação ao serviço de táxi-aéreo, conforme o Portal da Transparência do Estado, em 2020 o Estado gastou R$ 2,9 milhões. A SAD contratou a empresa Serrana Aviação Agrícola para prestar o serviço. Ao Jornal Midiamax, a empresa Serrana informou que os serviços prestados no ano passado estão relacionados com combate a incêndios. Aeronaves da empresa foram utilizadas nas ações do Estado durante a crise ocasionada por incêndios no Pantanal. 

Apesar do objeto do edital estar relacionado a táxi-aéreo, a contratação do ano passado é diferente da lançada nesta terça pelo Governo. O governo atualmente tem em sua frota quatro aeronaves: Beechcraft King Air A-100, prefixo PP-FOY; Cessna 182 Skylane, prefixo PR-NLH; Embraer 810C Seneca II, prefixo PT- ESJ e Cessna Citation II 550, prefixo PS-EMS.

*Texto alterado às 08h de 28 de janeiro para acréscimo de informações

Jornal Midiamax