Política / Transparência

Com prefeito tucano de MS na lista, País tem 20 investigações por furar fila da vacina

Pelo menos 20 autoridades em todo o País viraram alvo de investigação por furarem a fila da vacinação contra o novo coronavírus, segundo listado pela Revista Época. A relação inclui o caso sul-mato-grossense, com o prefeito de Nioaque, Valdir Júnior (PSDB), que disse ter sido imunizado para incentivar a população indígena. As investigações são conduzidas pelo […]

Danúbia Burema Publicado em 29/01/2021, às 07h37 - Atualizado às 09h05

(Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
(Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Pelo menos 20 autoridades em todo o País viraram alvo de investigação por furarem a fila da vacinação contra o novo coronavírus, segundo listado pela Revista Época. A relação inclui o caso sul-mato-grossense, com o prefeito de Nioaque, Valdir Júnior (PSDB), que disse ter sido imunizado para incentivar a população indígena.

As investigações são conduzidas pelo Ministério Público em nove estados. Prefeitos, secretários e até uma namorada influencer integram o seleto grupo que passou à frente dos prioritários na ordem de vacinação: idosos em acolhimento, indigenas aldeados e profissionais de saúde que atuam na linha de frente.

Alguns dos escandalosos casos de fura-fila foram descobertos porque os imunizados não fizeram questão nenhuma de esconder e até publicaram fotos em redes sociais. Após as manobras virem à tona, vários acabaram exonerados. Em Manaus, onde até assessores teriam se imunizado, a Promotoria chegou a formalizar pedido de prisão para o prefeito David Almeida. Em MS, o prefeito segue normalmente no cargo enquanto corre a investigação.

No País, a lista de investigados inclui, até o momento, também os estados da Paraíba, Sergipe, Minas Gerais, Goiás, Amapá, Amazonas, Roraima e Bahia. Na quinta-feira (29), a pandemia alcançou 9 milhões de brasileiros contabilizando 221 mil mortes.

Jornal Midiamax