Política / Transparência

Pregão para compra de remédios do protocolo contra coronavírus fica sem lance de Hidroxicloroquina

Pregão da Prefeitura de Campo Grande, cujo resultado foi divulgado nesta sexta-feira (17), que busca medicamentos do chamado protocolo de tratamento precoce de coronavírus, não recebeu lances em relação à Hidroxicloroquina e Vitamina D, segundo documento encaminhado pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). A empresa Inovamed vai fornecer 96 mil unidades de Azitromicina, por R...

Mayara Bueno Publicado em 17/07/2020, às 09h49 - Atualizado em 18/07/2020, às 16h04

Entrada da Secretaria de Saúde de Campo Grande. (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax).
Entrada da Secretaria de Saúde de Campo Grande. (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax). - Entrada da Secretaria de Saúde de Campo Grande. (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax).

Pregão da Prefeitura de Campo Grande, cujo resultado foi divulgado nesta sexta-feira (17), que busca medicamentos do chamado protocolo de tratamento precoce de coronavírus, não recebeu lances em relação à Hidroxicloroquina e Vitamina D, segundo documento encaminhado pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde).

A empresa Inovamed vai fornecer 96 mil unidades de Azitromicina, por R$ 385.000,00, e Miranda e Giorgini venderá 175 mil unidades de Ivermectina. Já a Hidroxicloroquina e Vitamina D não receberam ofertas, mas, segundo termo divulgado no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) de hoje, os lotes destes medicamentos serão reabertos para nova tentativa.

Em compra anterior, datada do dia 10 de julho, o município conseguiu comprar 100 mil comprimidos de Azitromicina, 840 mil de Sulfato de Zinco, 120 mil de Hidroxicloroquina, 180 mil de Invermectina e 20 mil comprimidos de Colecalciferol das empresas Nunesfarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticos, Medicinalis Farmacêutica e Farma Cinco.

Os produtos ainda não chegaram. Ainda segundo a Secretaria de Saúde, o prazo estimado é, pelo menos, 10 dias, mesmo com aviso, em ambas compras, constar entrega imediata.

Com as novas orientações adotadas pela Prefeitura de Campo Grande, médicos poderão receitar, com o consentimento do paciente, medicamentos que não possuem estudos conclusivos sobre a eficácia contra o coronavírus. O novo protocolo inclui sulfato de zinco, ivermectina e vitamina D3, para pacientes em estágio inicial da doença.

Jornal Midiamax