Política / Transparência

Alegando queda em repasse e aumento de demanda, Santa Casa pleiteia R$ 38 milhões no Ministério da Saúde

A Santa Casa de Campo Grande iniciou conversa com o Ministério da Saúde para receber ajuda financeira de R$ 38 milhões. Com risco de ‘solvência’, instituições filantrópicas de saúde tentam garantir auxílio federal, justificado pelo aumento de demanda e dificuldade em receber materiais, durante a pandemia de coronavírus. Em Brasília, participaram de reunião, com este […]

Mayara Bueno Publicado em 09/12/2020, às 11h14

Jovem estava internado na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Arquivo/Midiamax).
Jovem estava internado na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Arquivo/Midiamax). - Jovem estava internado na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Arquivo/Midiamax).

A Santa Casa de Campo Grande iniciou conversa com o Ministério da Saúde para receber ajuda financeira de R$ 38 milhões. Com risco de ‘solvência’, instituições filantrópicas de saúde tentam garantir auxílio federal, justificado pelo aumento de demanda e dificuldade em receber materiais, durante a pandemia de coronavírus.

Em Brasília, participaram de reunião, com este intuito, o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, o presidente da Santa Casa, Heitor Rodrigues e o assessor da superintendência do hospital, João Carlos Marchezan, há duas semanas. Segundo o titular, há expectativa que uma resposta positiva saia na semana que vem.

Este tipo de liberação já foi feita para o hospital em Porto Alegre, e Campo Grande está tentando o mesmo caminho. De acordo com a assessoria da Santa Casa da Capital, houve aumento de demanda de pacientes, dificuldades com recebimento de materiais e medicamentos, além da diminuição de repasses do poder público.

Já Pedrossian Neto explicou que o auxílio é solicitado porque as receitas privadas e do SUS (Sistema Único de Saúde), destinadas a hospitais como a Santa Casa, caíram, já que pessoas procuraram menos instituições de saúde neste ano –  a não ser pacientes diagnosticados com coronavírus e outras condições que demandem urgência. “A receita caiu bastante, ameaça solvência. Estamos tentando ajudar a nossa Santa Casa. Já fizemos duas reuniões, está bem encaminhado e eu acredito que possa ter resposta positiva na semana que vem”.

Jornal Midiamax