Política / Transparência

Última sessão do ano deve ter votação de empréstimo de R$ 45 milhões e Prodes

A Câmara Municipal deve votar na próxima quinta-feira (19), quando realiza sua última sessão ordinária de 2019, projetos considerados prioritários e que precisam passar pelo crivo dos vereadores ainda este ano, seja para agilizar trâmites do Executivo ou por que não podem ser analisados em 2020, ano eleitoral. De acordo com o presidente da Casa, […]

Nyelder Rodrigues Publicado em 17/12/2019, às 17h28 - Atualizado às 17h36

Presidente da Câmara de Campo Grande, vereador João Rocha. (
Izaias Medeiros, CMCG)
Presidente da Câmara de Campo Grande, vereador João Rocha. ( Izaias Medeiros, CMCG) - Presidente da Câmara de Campo Grande, vereador João Rocha. ( Izaias Medeiros, CMCG)

A Câmara Municipal deve votar na próxima quinta-feira (19), quando realiza sua última sessão ordinária de 2019, projetos considerados prioritários e que precisam passar pelo crivo dos vereadores ainda este ano, seja para agilizar trâmites do Executivo ou por que não podem ser analisados em 2020, ano eleitoral.

De acordo com o presidente da Casa, o vereador João Rocha (PSDB), todos os projetos serão definidos na quarta-feira (18) em reuniões com as comissões especiais. “O que puder esperar, vai esperar. O que for mais importante para a sociedade e precisar que votemos logo, serão todos na quinta-feira”, explica.

Rocha ainda indica entre esses processos um relativo ao empréstimo de R$ 45 milhões na Caixa Econômica, dentro do programa Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), para uso em obras de drenagem e pavimentação de vias, além de criação de parque multiuso no aterro de resíduos de construção civil no Jardim Noroeste.

Para conseguir o empréstimo, antes da aprovação do crédito pelo banco, a prefeitura precisa da autorização dos vereadores campo-grandenses, assim como já ocorreu em pelo menos duas outras situações este ano, uma delas para asfaltar o Rita Vieira.

Além dessa questão, há ainda outros projetos do 15 Prodes (Programa de Incentivos para Desenvolvimento Econômico e Social) enviados pelo Executivo para análise e votação na Câmara Municipal, envolvendo temas fiscais e também cedência de áreas.

Essas propostas precisam ser votadas ainda neste ano, já que 2020 é ano eleitoral – inclusive com praticamente todos os nomes que participação da votação buscando reeleição – e vedado por lei ser concedido incentivos durante esse período.

Jornal Midiamax