Política / Transparência

Novo projeto para informatizar saúde pública deve custar R$ 25 milhões

A rede de saúde pública de Campo Grande deve passar em breve por uma nova tentativa de informatização de seus dados. Esse é um dos projetos levados à Brasília (DF) pelo chefe da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), José Mauro Filho. Em fase inicial de análise pelo Ministério da Saúde, a proposta faz parte […]

Nyelder Rodrigues Publicado em 03/06/2019, às 09h36 - Atualizado às 18h54

Informatização pretende integrar rede (Foto: Arquivo)
Informatização pretende integrar rede (Foto: Arquivo) - Informatização pretende integrar rede (Foto: Arquivo)

A rede de saúde pública de Campo Grande deve passar em breve por uma nova tentativa de informatização de seus dados. Esse é um dos projetos levados à Brasília (DF) pelo chefe da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), José Mauro Filho.

Em fase inicial de análise pelo Ministério da Saúde, a proposta faz parte de um pacote de 12 projetos encaminhados à capital federal. No caso da informatização, a secretaria estima que a implementação custará em torno de R$ 25 milhões.

“Precisamos dessa informatização, de integrar o sistema. Hoje ainda temos uma estrutura que não atende mais as demandas da atualidade”, comenta Mauro Filho, que assumiu a Sesau há cerca de dois meses, no lugar de Marcelo Vilela.

Ainda não há previsão de quando haverá uma resposta sobre a aprovação ou não do projeto. Segundo a assessoria da Secretaria de Saúde, também não há detalhes sobre o prazo de implantação do programa.

Uma das tentativas mais recentes de informatização e integração da rede de saúde pública que mais marcaram foi o Gisa (Gestão de Informações em Saúde), que teve sua execução iniciada, mas depois foi tirada do ar – além disso, o programa foi alvo de investigações do MPF (Ministério Público Federal) por improbidade administrativa.

Jornal Midiamax