Política / Transparência

Lei que prevê R$ 4,3 bilhões em 2020 segue para sanção do prefeito

Em votação simbólica, a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2020 foi aprovada em segunda discussão na Câmara Municipal, nesta quinta-feira (dia 27), durante sessão extraordinária. O projeto traz as previsões do orçamento do município para o próximo ano. Os vereadores aprovaram também 152 emendas, que são indicações de ações a serem executadas com o […]

Mayara Bueno Publicado em 27/06/2019, às 12h49 - Atualizado às 12h55

Vereadores durante sessão da Câmara de Campo Grande. (Foto: Izaias Medeiros/CMCG)
Vereadores durante sessão da Câmara de Campo Grande. (Foto: Izaias Medeiros/CMCG) - Vereadores durante sessão da Câmara de Campo Grande. (Foto: Izaias Medeiros/CMCG)

Em votação simbólica, a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2020 foi aprovada em segunda discussão na Câmara Municipal, nesta quinta-feira (dia 27), durante sessão extraordinária. O projeto traz as previsões do orçamento do município para o próximo ano.

Os vereadores aprovaram também 152 emendas, que são indicações de ações a serem executadas com o dinheiro público. Agora, o texto volta para a Prefeitura de Campo Grande, que pode vetar algumas medidas. Na votação simbólica, não há discurso dos vereadores sobre o projeto.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias é usada como base para elaboração da LOA (Lei Orçamentária Anual), instrumento que traz previsões mais consolidadas e também é votada na Câmara Municipal.

No caso da LDO, a projeção para 2020 é de arrecadação de R$ 4,3 bilhões. Este montante pode ser confirmado na Lei Orçamentária Anual, cuja proposta deve chegar até o fim de setembro.

Jornal Midiamax