Política / Transparência

Justiça nega pedido de João Baird para usar veículos bloqueados na Lama Asfáltica

Réu em ações decorrentes da Operação Lama Asfáltica, o empresário do ramo da tecnologia da informação João Roberto Baird solicitou à Justiça Federal o desbloqueio dos seus veículos sequestrados durante a sexta fase, alegando possíveis danos aos automóveis parados. A 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande negou o pedido, segundo despacho publicado no […]

Evelin Cáceres Publicado em 08/04/2019, às 10h27 - Atualizado em 09/04/2019, às 10h32

João Roberto Baird, réu na Operação Lama Asfáltica (Foto: Arquivo Midiamax)
João Roberto Baird, réu na Operação Lama Asfáltica (Foto: Arquivo Midiamax) - João Roberto Baird, réu na Operação Lama Asfáltica (Foto: Arquivo Midiamax)

Réu em ações decorrentes da Operação Lama Asfáltica, o empresário do ramo da tecnologia da informação João Roberto Baird solicitou à Justiça Federal o desbloqueio dos seus veículos sequestrados durante a sexta fase, alegando possíveis danos aos automóveis parados. A 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande negou o pedido, segundo despacho publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (8).

A defesa de Baird alegou que além de possíveis danos mecânicos, a restrição está causando danos agropecuários em suas propriedades rurais. A Justiça não desbloqueou os bens, justificando que o impedimento de deslocamento dos veículos tem finalidade de garantir a conservação e durabilidade, além de possibilitar alienação antecipada para possibilitar ocasional ressarcimento dos danos.

Outros pedidos

O MPF (Ministério Público Federal) solicitou e teve o pedido deferido para bloquear mais um imóvel, que teria sido ‘alienado fraudulentamente a Orocídio de Araújo’, apontado na CPI do Táxi da Câmara Municipald e Campo Grande como um dos grandes detentores de alvarás na cidade.

A justiça deferiu ainda o pedido do réu Antonio Celso Cortez, dono da PSG Informática e apontado como braço direito de Baird no ramo, para avaliar e vistoriar os bens bloqueados, mas somente após consulta para confirmação de quais imóveis e veículos do empresário que foram bloqueados. Também foi deferido o pedido de André Luiz Cance para desbloqueio de R$ 4.140,10 da sua conta corrente.

Jornal Midiamax