Política / Transparência

Ministério libera verbas a conta-gotas e obras na Ernesto Geisel podem parar em breve

‘Em dia’ no Portal da Transparência do Governo Federal, o Ministério do Desenvolvimento Regional repassa a conta-gotas o dinheiro referente à obra do Rio Anhanduí, na Avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande. Há um mês, a Prefeitura da Capital fala sobre o atraso, alegando que as empresas podem parar a obra a qualquer momento. No […]

Mayara Bueno Publicado em 02/07/2019, às 09h27 - Atualizado às 17h10

Obra às margens da Avenida Ernesto Geisel. (Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo)
Obra às margens da Avenida Ernesto Geisel. (Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo) - Obra às margens da Avenida Ernesto Geisel. (Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo)

‘Em dia’ no Portal da Transparência do Governo Federal, o Ministério do Desenvolvimento Regional repassa a conta-gotas o dinheiro referente à obra do Rio Anhanduí, na Avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande. Há um mês, a Prefeitura da Capital fala sobre o atraso, alegando que as empresas podem parar a obra a qualquer momento.

No site da União, aparece que o Ministério do Desenvolvimento está ‘adimplente’ com os repasses. Contudo, os valores são insuficientes para o pagamento das medições mensais da revitalização, segundo o secretário de Infraestrutura, Rudi Fioresi.

“É como o cartão de crédito, quando gasta muito e não dinheiro para pagar a fatura total, paga-se o mínimo”. Conforme o Portal da Transparência do Governo Federal, constam dois repasses em 17 de junho: um de R$ 1.125.087,45 e outro de R$ 282.225,46, que totalizam R$ 1,4 milhão. O montante bate com o que o titular disse, anteriormente, que a União enviou.

Antes disso, em 1º de abril deste ano, consta que foram pagos R$ 281.915,71 e R$ 608.095,40 em 31 de janeiro. O maior repasse em seis meses foi de R$ 4.990.335,20 em 7 de dezembro de 2018.

O secretário afirma que, somando as medições, ainda precisam ser pagos R$ 4,6 milhões. O processo até a liberação do dinheiro começa na medição, que é a contabilização do que foi feito, a aprovação da Caixa Econômica Federal que antes envia um engenheiro para confirmar a medição e, por fim, a liberação da verba por parte do ministério.

Nas últimas agendas, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) reclamou do atraso, cuja regularização total foi prometida para junho.

Por enquanto – As obras continuam, mas a probabilidade de paralisação aumenta a cada a dia. São duas empresas envolvidas na intervenção. “Mas elas têm um limite, daqui a pouco não aguentam mais. A obra continua, mas a preocupação é muito grande”, disse o titular.

Em 2018, o Portal da Transparência mostra pagamentos feitos em valores superiores a R$ 1 milhão ao mês em oito dos 12 meses daquele ano –  a lista aponta ordens bancárias de 2012, 2013 e 2014. A intervenção, que ocorre às margens da Avenida Ernesto Geisel, abrange contenção de enchentes, ciclovia, entre outras ações de revitalização.

A reportagem entrou em contato com o Ministério do Desenvolvimento por email e telefone, mas o posicionamento não foi enviado até o fechamento e publicação deste texto.

Jornal Midiamax