Política / Transparência

Com aumento em pauta, vereador diz que políticos de Ribas ficaram 8 anos sem reajuste

Projeto de n.º 022/19 que reajusta em 28% os salários do prefeito, vice, vereadores e secretários de Ribas do Rio Pardo entrará na pauta de votação da Câmara de Vereadores na terça-feira (15), segundo informado pelo presidente da Casa, vereador Paulo Henrique da Silva, o Paulo da Pax (PL). Em defesa da proposta, ele informou […]

Danúbia Burema Publicado em 14/10/2019, às 16h10 - Atualizado em 15/10/2019, às 13h47

(Arquivo)
(Arquivo) - (Arquivo)

Projeto de n.º 022/19 que reajusta em 28% os salários do prefeito, vice, vereadores e secretários de Ribas do Rio Pardo entrará na pauta de votação da Câmara de Vereadores na terça-feira (15), segundo informado pelo presidente da Casa, vereador Paulo Henrique da Silva, o Paulo da Pax (PL). Em defesa da proposta, ele informou que os salários em questão não são reajustados há oito anos.

“Se fosse corrigir pela inflação dos oito anos daria 45% de aumento”, argumentou o presidente. De acordo com ele, apesar do projeto ter sido oficializado pela Mesa Diretora, é fruto de conversa antecipada com todos os vereadores. “A gente não está votando aumento. Não estamos votando nada pra receber mês que vem. Isso aí é uma correção de oito anos, a última foi em 2012. E não é pra atual administração, pra atual gestão. É uma correção inflacionária pra próxima [legislatura], de 2021 a 2024”, rebateu sobre as críticas.

Para Paulo, a situação é diferente de tentativa anterior, feita pela Câmara em 2016, de aumentar salários após as eleições. “Na época eu não era vereador ainda e a Câmara esperou acontecer a eleição pra ver quem foram os eleitos. Aí você realmente está votando em benefício próprio”, criticou.

Desta vez, afirma, todos os vereadores estão dispostos a enfrentar a situação por não acharem justo ficar oito anos sem reajuste. Questionado sobre as dificuldades financeiras enfrentadas pelo município, ele perguntou qual município no País está atualmente em boas condições. Também afirma que a defasagem prejudica a própria administração. “Qual prefeito que vai conseguir ter um secretário de qualidade ganhando R$ 4.700,00?”, disse.

Votação

Com a proposta a ser incluída na sessão da noite de terça-feira (15), o presidente adiantou que não haverá pressa na discussão, que deverá se estender até a próxima semana.

Segundo ele, não haverá direcionamento, tendo cada vereador toda a autoridade para votar a favor ou contra e, inclusive, tirar o projeto da pauta. Ele também defendeu a possibilidade de reajuste escalonado, com 7% em cada um dos quatro anos de mandato. Mas, disse que a maioria achou melhor 28% logo no primeiro ano da próxima legislatura. 

Conforme a proposta da Mesa Diretora, o salário do prefeito a partir de 2021 será de R$ 19.920,70; do vice-prefeito, R$ 9.960,34; dos secretários municipais R$ 7.370,64; e dos vereadores R$ 7.552,00. Atualmente, o prefeito Paulo Tucura (DEM) recebe R$ 15.563,05. O vice-prefeito, Luiz Carlos Dutra (PDT), ganha R$ 7.781,52. E cada um dos 11 vereadores tem salário de R$ 5.900,00.

Jornal Midiamax