Política / Transparência

Prefeitura paga R$ 3,9 milhões a cooperativas agrícolas por alimentação escolar

A Prefeitura de Campo Grande divulgou nesta sexta-feira (3) uma série de contratos com associações e cooperativas agrícolas para compra de mais de R$ 3,9 milhões de alimentos hortifrutis para a alimentação escolar. Os alimentos da agricultura familiar servirão para abastecer as merendas da Reme (Rede Municipal de Ensino). Os recursos para as compras partiram […]

Joaquim Padilha Publicado em 03/08/2018, às 13h02

Cooperativas venceram licitação no último ano (Reprodução: Semagro)
Cooperativas venceram licitação no último ano (Reprodução: Semagro) - Cooperativas venceram licitação no último ano (Reprodução: Semagro)
Prefeitura paga R$ 3,9 milhões a cooperativas agrícolas por alimentação escolar
Cooperativas venceram licitação no último ano (Reprodução: Semagro)

A Prefeitura de Campo Grande divulgou nesta sexta-feira (3) uma série de contratos com associações e cooperativas agrícolas para compra de mais de R$ 3,9 milhões de alimentos hortifrutis para a alimentação escolar.

Os alimentos da agricultura familiar servirão para abastecer as merendas da Reme (Rede Municipal de Ensino). Os recursos para as compras partiram de repasses do Ministério da Educação pelo Pnae (Programa Nacional de Alimentação Escolar).

Foram oito contratos assinados pela Prefeitura. Os maiores foram assinados com a Associação dos Produtores Rurais do Assentamento Fiorestan Fernandes, por R$ 1 milhão, e com a Cooperativa Agrícola de Campo Grande, por R$ 1,5 milhão.

A Prefeitura também assinou contratos com cooperativas e associações dos Assentamento Nova Aliança, Assentamento Alambari, da Fazenda Aliança, com a Associação dos Pequenos Produtores Rurais Nova Era, com a Associação dos Trabalhadores Rurais São Luiz, e com a Cooplafp (Cooperativa Mista de Pecuária de Corte Leiteira e da Agricultura Familiar).

Os grupos são os mesmos que venceram licitação ainda no ano passado para fornecimento de hortifrutis à alimentação escolar. A licitação da Prefeitura tinha a previsão de investimento de R$ 3,9 milhão na compra dos alimentos.

Jornal Midiamax