Política / Transparência

Operação Pregão: Prefeita nomeia interino para comandar secretaria após prisão

Em edição extra do Diário Oficial de Dourados desta quinta-feira (1º), a prefeita Délia Razuk (PR) nomeou secretário municipal de Fazenda interino. Carlos Augusto de Mello Pimentel ocupa vaga deixada por João Fava Neto, preso nesta quarta durante a Operação Pregão. No decreto, a prefeita apenas nomeou o interino sem exonerar Fava Neto. O interino […]

Aliny Mary Dias Publicado em 01/11/2018, às 18h04 - Atualizado em 02/11/2018, às 08h24

(Foto: Reprodução/Dourados News/Adilson Domingos)
(Foto: Reprodução/Dourados News/Adilson Domingos) - (Foto: Reprodução/Dourados News/Adilson Domingos)
Operação Pregão: Prefeita nomeia interino para comandar secretaria após prisão
(Foto: Reprodução/Dourados News/Adilson Domingos)

Em edição extra do Diário Oficial de Dourados desta quinta-feira (1º), a prefeita Délia Razuk (PR) nomeou secretário municipal de Fazenda interino. Carlos Augusto de Mello Pimentel ocupa vaga deixada por João Fava Neto, preso nesta quarta durante a Operação Pregão.

No decreto, a prefeita apenas nomeou o interino sem exonerar Fava Neto. O interino poderá “ordenar despesa de sua secretaria, podendo para tanto assinar empenhos e ordens de pagamento, homologar e adjudicar licitações, assinar balancetes, balanços, orçamentos e demais documentos contábeis”.

Além de Fava Neto, foram presos o presidente da Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura de Dourados, Anilton Garcia de Souza, o empresário Messias José da Silva e a vereadora Denize Portolann (PR).

Os três homens estão desde ontem na PED (Penitenciária Estadual de Dourados) e Denize permaneceu detida na delegacia de polícia.

Operação

Além das quatro prisões em Dourados, a Operação Pregão cumpriu outros 16 mandados de busca e apreensão em endereços no município do interior e na Capital.

Seis promotores de justiça de Dourados e de Campo Grande participaram da Operação, que investiga supostos crimes de fraude em licitação, dispensa indevida de licitação, falsificação de documentos, advocacia administrativa, além do crime conta a ordem financeira, notadamente em razão de fraudes em licitações e contratos públicos, praticados, em tese, durante a gestão da prefeita Délia Razuk (PR).

Além dos promotores a Operação Pregão contou com participação de agentes do Gecoc (Grupo Especializado no Combate à Corrupção) e policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar), DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e Defron (Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira).

Jornal Midiamax