Política / Transparência

Investigação sobre fraude em sorteio de casa segue em segredo judicial

Coordenadora teria favorecido filhos e cunhada

Celso Bejarano Publicado em 05/05/2017, às 17h26

None
mpe_bela_vista.jpg

Coordenadora teria favorecido filhos e cunhada

Promotor de Justiça de Bela Vista Alexandre Estuqui Júnior que instaurou inquérito para investigar supostas fraudes na distribuição de casas populares no município, informou que, por enquanto, o caso tem sido apurado em sigilo, daí não pode detalhar a investida contra a irregularidade.

A questão envolve a coordenadora técnica do setor de habitação da cidade 444 quilômetros de Campo Grande, situada na parte sudoeste de Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, Liberacy Lina Batilani, que teria favorecido três filhos e a cunhada na hora de sortear os imóveis custeados com recursos públicos.

A assessoria do promotor, por e-mail, disse que o promotor não autorizou “a liberação de informações por haver documentos sigilosos que podem, se divulgados, atrapalhar as investigação”.

Contudo, “logo que a ação pública for ajuizada, o processo torna público e qualquer pessoa pode ter acesso”, informou a assessoria.

A reportagem tentou conversar com a servidora investigada, mas não conseguiu na tarde desta sexta.

Já o prefeito da cidade, Reinaldo Miranda Benites, do PSDB, conhecido como Reinaldo Piti, disse ao jornal Midiamax que desconhece a denúncia que motivou a instauração do inquérito contra sua coordenadora técnica de habitação. “Ela [Liberacy] é servidora antiga, concursada, da prefeitura. Só não posso comentar este caso por não saber desta investigação”, afirmou o prefeito que prometeu se pronunciar sobre a questão assim que informado pelo MPE.

Jornal Midiamax