Política / Transparência

Governo investe R$ 9,5 milhões em asfalto de rodovia inaugurada há 2 anos

Relatório da Lama Asfáltica apontou desvios nas obras da MS-040

Ludyney Moura Publicado em 18/08/2017, às 12h38

None

Relatório da Lama Asfáltica apontou desvios nas obras da MS-040

Inaugurada em dezembro de 2014, nos últimos dias da gestão de André Puccinelli (PMDB), e apontada na Operação Lama Asfáltica como uma das obras com registros de desvios de recursos públicos, a MS-040, que liga Campo Grande a Santa Rita do Pardo, receberá quase R$ 10 milhões para o serviço de recapeamento.

De acordo com extrato de contrato publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (18), a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) vai pagar R$ 9.498.782,68 (nove milhões e quatrocentos e noventa e oito mil e setecentos e oitenta e dois reais e sessenta e oito centavos) à empreiteira Teccon S/A – Construção e Pavimentação.Governo investe R$ 9,5 milhões em asfalto de rodovia inaugurada há 2 anos

O objeto do contrato é a ‘restauração Asfáltica de segmento da Rodovia MS-040, trecho: entrº BR-163 (Anel Viário de Campo Grande) – km 17 (Colônia Yamato), com extensão de 16,135 km, no município de Campo Grande’.

A empresa terá até 270 dias para concluir o serviço, tão logo receba do governo Ordem de Início dos Serviços. O contrato é assinado pelo diretor da Agesul, Emerson Antonio Marques Pereira e por Miguel Ferreira Tartuce.

MS-040

A rodovia foi entregue na última semana de governo da gestão Puccinelli e custou quase R$ 300 milhões. O peemedebista chegou a afirmar que a conclusão da obra só foi possível porque a entao presidente Dilma Rousseff (PT) teria facilitado a liberação de recursos junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Durante as investigações da Operação Lama Asfáltica, a Polícia Federal e a CGU (Controladoria-Geral da União) constaram desvios de pelo menos R$ 8 milhões em pelo menos dois dos 10 lotes licitados da rodovia. Segundo as investigações, houve fraude na execução da obra, irregularidades na medição e direcionamento de licitação.

Jornal Midiamax