Ambos gastam acima do limite prudencial

O governo do Estado de Mato Grosso do Sul e a Prefeitura de Campo Grande registraram gastos no primeiro quadrimestre de 2017 acima do limite prudencial com pessoal. Segundo os dados publicados no diário oficial do Estado e do Município nesta terça-feira (30), os valores ficaram entre 47,37% no Estado e 51,57% da Receita Corrente Líquida na Capital.Governo de MS e Prefeitura fecham quadrimestre acima de limite com pessoal

O Estado encerrou o primeiro quadrimestre com deficit de R$ 346,031 milhões. De janeiro a abril, a receita foi de R$ 4.081.817.860,11 e despesa de R$ 4.457.848.902,46 no mesmo período no Estado.

A Prefeitura de Campo Grande teve avanço de 13,5% na arrecadação, com queda de 10% das despesas. Outro registro apontado foi o superavit de R$ 371,6 milhões, saldo de uma receita de R$ 1,072 bilhão e despesa de R$ 700,813 milhões no período.

Em Campo Grande, somente com IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) foi arrecadado 64,38% do total previsto para o ano, de uma receita tributária total prevista em R$ 933.922.000. Ao todo, foram arrecadados nos primeiros quatro meses 43,05% do esperado com impostos para o exercício de 2017.

O Estado arrecadou nos últimos quatro meses R$ 2.310.008.764 em ICMS, de uma previsão de R$ 7.763.019.935,00 para o ano de 2017.

Apesar disso, o governo atribui a queda na diminuição da arrecadação registrada com o gás natural à diminuição da importação do produto pela Petrobras, já que o início de ano para o governo tem registro histórico de aumento na arrecadação.

Parte desses aumentos se devem ao pagamento com desconto quando alguns impostos deixam de ser parcelados, como o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).