Política / Transparência

Prefeitura aumenta em R$ 104 mil valor de obra de UBSF parada há três anos

Construção da UBSF do Jardim Azaleia foi anunciada em 2012

Joaquim Padilha Publicado em 17/11/2016, às 14h10

None
ubsfjardimazaleia.jpg

Construção da UBSF do Jardim Azaleia foi anunciada em 2012

A Seintrha (Secretaria Municipal de Infrestrutura, Transporte e Habitação) aumentou em mais R$ 104,3 mil o valor do contrato destinado a construção UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Jardim Azaleia, anunciada há quatro anos. Agora, o valor da obra é de mais de R$ 1,3 milhões (R$ 1.351.039,96).

A obra da construção da UBSF, avaliada inicialmente em pouco mais de R$ 1 milhão, foi anunciada em outubro de 2012, por meio de um contrato firmado com a empresa Ciacon Construções e Obras Ltda, logo no primeiro ano da gestão do prefeito Alcides Bernal (PP).

A UBSF do Jd. Azaleia deveria ficar pronta em 270 dias, segundo o contrato. Embora o prédio da unidade tenha sido concluído em cerca de um ano, a região segue há três anos sem atendimento.

Em agosto de 2014, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) foi incluída como uma das contratantes da obra, na gestão do ex-secretário Jamal Haddad, aumentando o valor do investimento em mais R$ 218 mil. No mesmo mês, o prazo de entrega da UBSF foi extendido por mais 90 dias.

Extrapolando o novo prazo, mais uma prorrogação da entrega da obra foi assinada em abril de 2015. A Ciacon então deveria concluir a UBSF até agosto daquele ano, mas isso não ocorreu e o contrato com a empresa recebeu um novo aditivo no prazo de entrega, por mais um ano.

O terceiro novo prazo também já se encerrou – a conclusão estaria prevista para julho deste ano. Em maio de 2016, a Prefeitura anunciou que as obras no Jardim Azaleia seriam retomadas, atendendo ao bairros Nª Senhora das Graças, Jd. Fluminense, Jd. Das Acácias, Coophasul, Conjunto Azaleia e Jd. Paqueta.

No Diário Oficial de Campo Grande, a Prefeitura justificou que o novo reajuste foi feito "consoante planilha de reajustamento devidamente autuada nestes autos, devendo retroagir seus efeitos financeiros a partir de outubro de 2013".

(sob supervisão de Evelin Araujo)

Jornal Midiamax