Política / Transparência

Vereadores suspeitam de ‘tarifaço’ e querem detalhes de cálculo do IPTU

Parlamentar mostrou documento sobre terreno que teria sofrido supervalorização

Midiamax Publicado em 05/11/2015, às 14h45

None
saraiva_arquivo_400x300_cmcg.jpg

Parlamentar mostrou documento sobre terreno que teria sofrido supervalorização

Vereadores de Campo Grande querem acesso à chamada Planta Genérica de Valores de Terreno de Campo Grande, um dos parâmetros usados para incidência do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Há parlamentares suspeitando que a Prefeitura está prestes a estabelecer um ‘tarifaço’ no setor para 2016.

Pelo menos dois vereadores, Carlão (PSB) e Airton Saraiva (DEM), falaram durante a sessão desta quinta-feira (5) sobre o assunto. O demista chegou a apresentar extrato de avaliação de terreno, segundo ele do lote de um contribuinte no Jardim Noroeste, que em poucos dias apresentou variação de quase 250%.

Conforme o documento mostrado por Saraiva, uma área no Noroeste, no dia 19 de outubro, constava com avaliação de R$ 7,2 mil e, no dia 4 de novembro, aparece com valor de R$ 25,2 mil. “Estamos vendo a suspeita de ‘tarifaço’, tudo feito na calada da noite, escondendo da casa e da população”, diz o vereador.

Vereadores suspeitam de 'tarifaço' e querem detalhes de cálculo do IPTUUm pouco antes, Carlão falou que será feito requerimento à Prefeitura para apresentação da planta genérica de valores. Segundo Saraiva, o prefeito, “agindo com a equipe técnica dele, vai ao bolso do cidadão”.

O prefeito, Alcides Bernal (PP), já anunciou que fará por decreto o reajuste de 9,57% no IPTU para o próximo ano. O percentual é referente à inflação acumulada nos últimos 12 meses.

Para o vereador Paulo Siufi (PMDB), este é um procedimento previsto em lei e, portanto, correto. “Mas, agora vamos ter que ver se será golpe ou safadeza. Se for, vamos abortar isso de imediato”, completa.

A Planta Genérica de Valores de Terrenos faz parte dos cálculos da Prefeitura pra apurar o valor a ser pago de IPTU. Leva em conta dados da CVI (Câmara de Valores Imobiliários) e um mapa que divide a cidade em mais de 1,7 mil setores, tendo como resultado o custo do metro quadrado em cada um deles, segundo explicação disponível na página da Prefeitura na internet.

Jornal Midiamax