Política / Transparência

Sem dar exemplo, vereadores pedem ‘transparência total’ na Prefeitura

Pedidos chegam após divulgação de 'lista dos professores'

Midiamax Publicado em 23/06/2015, às 13h45

None
img-20150623-wa0027.jpg

Pedidos chegam após divulgação de ‘lista dos professores’

Eles próprios não o fazem, como prevê a Lei de Acesso à Informação, mas vereadores de Campo Grande usaram a sessão desta terça-feira (23) para discursar em favor da total transparência por parte do Poder Público. Isso diante de um plenário repleto de professores e pessoal ligado à área de enfermagem, ambos em greve na esfera municipal.

As manifestações surgem depois que a Prefeitura e o ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) passaram a divergir, publicamente, sobre os salários pagos aos professores da rede municipal. Diante das dúvidas sobre as informações divulgadas até então, o Jornal Midiamax solicitou ao Município, com base na Lei Federal número 12.527/11, dados oficiais sobre os vencimentos pagos à categoria, tendo recebido “listagem nominal dos professores e especialistas em educação”, publicada na segunda-feira, 22 de junho.

Nesta terça, a vereadora Thais Helena (PT), por exemplo, usou o microfone na sessão da Câmara Municipal para defender “coerência e transparência total” na divulgação de informações sobre gastos municipais. “Não vimos, nesta lista, o salário de diretores da Semed (Secretaria Municipal de Educação), de mais de 600 comissionados na Secretaria de Governo, terceirizados da Seleta e Omep”, pontuou a parlamentar.

A petista ainda desafiou o prefeito, Gilmar Olarte (PP), a divulgar todos os salários e lotação dos servidores. “Assim, os vereadores podem ir até as secretarias ver se todos estão trabalhando”, continuou.

Carla Stephanini (PMDB) do prefeito que torne público o próprio holerite. “Ele disse que iria abrir mão de salário, queremos ver se abriu mesmo”, encerrou a peemedebista.

Questionado sobre o assunto, o líder do prefeito na casa, Edil Albuquerque (PMDB), disse que a divulgação da lista ocorreu “provavelmente porque alguém pediu”. “São decisões que agradam cinquenta, desagradam cinquenta. Ninguém gosta de revelar o véu”, opinou.

E a Câmara?

Na página da Câmara Municipal na internet não há informações sobre quanto ganha cada um dos parlamentares e servidores. O último dado no portal de transparência da casa é referente ao pagamento de maio, revelando gasto total de R$ 3,1 milhões com pessoal.

Pelas informações disponibilizadas, nos últimos 12 meses, a Câmara gastou R$ 41,2 milhões com ‘despesas de pessoal’.

Também é possível ver, no portal de transparência da Câmara, dados como a relação de cargos e a composição remuneratória, a relação nominal dos estagiários e dos comissionados, ambas sem as respectivas remunerações. O mesmo ocorre com relação aos efetivos.

Jornal Midiamax