Política / Transparência

Investigado na Operação Lama Asfáltica é afastado de obra da Agesul

Engenheiro foi afastado de supervisão 

Evelin Cáceres Publicado em 13/08/2015, às 13h59

None
operacao.jpg

Engenheiro foi afastado de supervisão 

O engenheiro Marcos Tadeu Enciso Puga, servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) foi afastado pelo governo do Estado nesta quinta-feira (13) da obra de manutenção de estradas na residência regional de Corumbá. A publicação consta no Diário Oficial do Estado.

O engenheiro foi retirado da responsabilidade técnica pela execução da obra de manutenção e conservação de rodovias, assumida pela RR Ceni & Cia Ltda-EPP., com valor de R$ 4,7 milhões e duração de um ano.

Segundo o termo aditivo, permanece na obra somente o engenheiro Hilário Monteiro Hort. Assinam pela alteração Ednei Marcelo Miglioli e Rodrigo Ricardo Ceni.

Sevidores afastados

O ex-deputado estadual e ex-prefeito de Paranaíba, Wilson Roberto Mariano de Oliveira, o Beto Mariano, o engenheiro civil Marcos Tadeu Inciso Puga, Hélio Yudi Komiyama e Márcia Alvarez Machado Cerqueira foram afastados da Agesul por 60 dias, a pedido do MPF (Ministério Público Federal), após a deflagração da Operação Lama Asfáltica.

Receita Federal, MPF, Polícia Federal e CGU (Controladoria-Geral da União) investigavam há dois anos o esquema que envolve o empreiteiro João Alberto Krampe Amorim dos Santos e o grupo do ex-governador André Puccinelli, suspeitos de favorecimento em licitações e desvios milionários de recursos federais destinados à obras. Até o momento, ninguém foi preso. 

Jornal Midiamax