Política / Transparência

Após apreensões, prefeito nega carta marcada em licitação de publicidade

Gaeco fez busca por documentos em Itaporã

Evelin Cáceres Publicado em 17/06/2015, às 14h48

None
gaeco2.jpg

Gaeco fez busca por documentos em Itaporã

O prefeito de Itaporã Wallas Gonçalves Milfont negou que a licitação de contrato de publicidade da administração pública tenha sido direcionada. A entrevista foi concedida após busca e apreensão de documentos na casa do prefeito durante a Operação Layout, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), nesta quarta-feira (17).

Segundo o site Dourados News, o prefeito disse que a licitação foi anulada. “Não há irregularidades. Foi anulado pouco depois do processo licitatório. Fizemos a contratação no final de dezembro, em janeiro houve recesso e no dia 8 de abril quebramos [o contrato]. Estávamos nos preparando para a primeira campanha, mas não aconteceu nada nesse período”.

Questionado sobre o motivo da operação desencadeada pelo MPE (Ministério Público Estadual), o prefeito novamente despistou. “Eles estão investigando e vão dizer o motivo dessas apreensões. Como disse, não há nada de irregular, já que foi anulado. Está tudo normal, tranquilo. O MPE solicitou os documentos e nós encaminhamos para eles”, disse o prefeito.

Segundo nota encaminhada pelo Gaeco, a apuração remete a um possível direcionamento no processo de licitação para a contratação da agência de publicidade responsável pelas campanhas do município. 

Jornal Midiamax