Política / Pimenta

Episódio com mulher armada (e amada) em Campo Grande quase causou guerra envolvendo PCC

Episódio passional preocupou submundo, pois poderia causar derramamento de sangue em MS

Da Redação Publicado em 08/10/2021, às 08h57

Mulher anda armada em Campo Grande e seria amada por líder de facção 'guardado' em SP
Mulher anda armada em Campo Grande e seria amada por líder de facção 'guardado' em SP - (Ilustração sobre reprodução, Web)

Episódio passional envolvendo uma mulher armada em Campo Grande e amada por detento apontado como líder de alto escalão de facção criminal desesperou submundo local com risco de verdadeira guerra entre supostos membros do PCC.

Houve correria envolvendo 'hospedes' de presídios sul-mato-grossenses, faccionados de rua e até interlocutores que foram ao interior de São Paulo para apaziguar a situação. No entanto, segundo relatam, a 'treta' ainda não estaria resolvida definitivamente e fez gente guardar o violão e sumir do mapa.

Quem não entende 'carambolas' do episódio sequer imagina como a aventura romântica da mulher poderia ter consequências desastrosas para acordos no submundo do narcotráfico em Mato Grosso do Sul.

Mulher armada com vida dupla em condomínio de luxo

Conforme relatado por quem teve que apagar o incêndio, a mulher só anda armada, mas manteria uma vida pacata em Campo Grande, onde é dona de boutique e vizinha distinta em condomínio de luxo. Só que, na verdade, apesar de não ter '1533' tatuado na testa, seria o amor declarado de proeminente liderança do PCC.

Para piorar,  estaria envolvida na lavagem de algum dinheiro do sujeito com negócios e propriedades em terras sul-mato-grossenses.

A relação com atual detento, apontado mesmo de dentro de um presídio paulista, como um dos chefes da facção, teria começado quando o sujeito passava longas temporadas em Mato Grosso do Sul alternando entre Paraguai e Bolívia para executar um dos planos que acabou mudando a estrutura hierárquica do PCC

Agora, quando a suposta 'escapada' da moça chegou aos ouvidos do líder apaixonado, quem deveria fazer a segurança da mulher foi imediatamente convocado. Na conversa, outras suspeitas implicando traição entre narcotraficantes teriam esquentado o clima e quase provocado incêndio com promessa de execuções.

Sabendo de algo que MS precisa saber? Conta pro Midiamax!

Se você está por dentro de alguma informação que acha importante o público saber, fale com jornalistas do Jornal Midiamax!

Fala Povo: O leitor pode falar direto no WhatsApp do Jornal Midiamax pelo número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Se preferir, você também pode falar com o Jornal direto no Messenger do Facebook.

Você pode enviar flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões com total sigilo garantido pela lei.

Jornal Midiamax