Política / Justiça

Depois de 572 dias de cárcere, Felipe prova inocência é ganha liberdade provisória

Batalha para ser livre de vez ainda não terminou

Midiamax Publicado em 16/12/2016, às 21h58

None

Batalha para ser livre de vez ainda não terminou

A espera pela Justiça durou um ano, seis meses e 23 dias, para Felipe Filles de Souza, 20 anos, preso no dia 22 de maio de 2015, por assaltos que não praticou. Durante todo o tempo de cárcere, o jovem afirmou inocência e após uma 'reviravolta' teve a liberdade provisória concedida após audiência realizada no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, na tarde desta quinta-feira (15). A batalha continua, agora em busca da absolvição.

A soltura ocorreu nesta sexta-feira (16), no CPA (Centro Penal Agroindustrial) da Gameleira, em Campo Grande, onde Felipe cumpria a pena. O advogado Ricardo Maksoud Machado Filho se diz confiante com o processo e ressalta o alívio de seu cliente. "Estamos confiantes, até porque em nenhuma parte do processo comprova a participação dele no crime. Ele se diz muito aliviado, mas deve permanecer em silêncio até o julgamento", disse.

No dia do crime, em 2015, Felipe havia saído de casa com a motocicleta da irmã e minutos depois o irmão Matheus Filles, na época com 17 anos, também utilizou o veículo. O problema é que durante o uso, o Matheus se juntou a um comparsa, identificado como Felipe dos Santos e realizaram três assaltos. 

O comparsa assumiu o crime pouco depois da prisão de Felipe Filles, mas a princípio, não foi a solução.

Após audiência, os irmãos foram considerados culpados pela Justiça. O adolescente cumpriu medida sócio-educativa em uma Unei (Unidade Educacional de Internação) por um ano. Já Felipe Filles foi condenado há quase oito anos de prisão.

Mesmo após a confissão de Matheus e o comparsa, o advogado pontua que as vítimas permaneceram com seus depoimentos afirmando a autoria do réu. Conforme a defesa, a semelhança entre os irmão pode ter confundido as testemunhas. "Mesmo após a confissão do irmão e o comparsa, as testemunhas continuaram a afirmar que Felipe era o autor", relata o advogado.

O cárcere continuou e a luz no fim do túnel chegou há pouco tempo, depois que a própria família inconformada com a condenação, procurou as vítimas para mostrar um vídeo com a voz e imagem de Felipe dos Santos confessando os roubos. 

Duas das vítimas confirmaram que ele não seria o autor e a terceira mostrou dúvida, mas após duas novas audiências, o juiz decidiu por revogar a prisão preventiva. As vítimas se retraram, a princípio, com declaração. Na audiência do último dia 15, Felipe foi ouvido e reafirmou a inocência em depoimento. Duas das vítimas confirmaram que ele não seria o autor e a terceira ficou em dúvida.

Felipe dos Santos também depôs e assumiu a autoria dos roubos. Na época, ele era adolescente assim como Matheus Filles, e afirmou em juízo que pilotou a motocicleta de Felipe Filles enquanto o amigo Matheus Filles usou uma arma de fogo para render as três vítimas.

Jornal Midiamax