Política / Justiça

Consórcio Construtor Belo Monte diz que acionará Justiça contra movimento grevista

Em nota enviada à Agência Brasil, no início dessa tarde de segunda-feira (23), o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) informou que tomará medidas judiciais para que a greve nas obras de construção da usina seja considerada ilegal, alegando que as reivindicações do movimento paredista estão sendo feitas fora da data-base, que é outubro. A paralisação […]

Arquivo Publicado em 23/04/2012, às 17h03

None

Em nota enviada à Agência Brasil, no início dessa tarde de segunda-feira (23), o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) informou que tomará medidas judiciais para que a greve nas obras de construção da usina seja considerada ilegal, alegando que as reivindicações do movimento paredista estão sendo feitas fora da data-base, que é outubro.


A paralisação alcança cerca de 7 mil funcionários dos cinco canteiros da usina. Na nota, o consórcio diz que “a paralisação surgiu do não atendimento pelo CCBM de reivindicações realizadas fora da data-base da categoria, e em plena vigência de acordo coletivo de trabalho válido até outubro de 2012”.


Além disso, a empresa informa no texto que “está tomando todas as medidas judiciais visando ao encerramento do movimento e o retorno dos funcionários ao trabalho”. Entre as reivindicações dos trabalhadores, duas ainda não foram atendidas: a redução do período que chamam de baixada [quando recebem uma folga de nove dias para visitar a família, com passagens pagas pelo CCBM], e o aumento no valor do vale alimentação dos atuais R$ 95 para R$ 300.


O consórcio só acenou com um acréscimo de R$ 15. Para cumprimento da exigência legal, dos cerca de 7,7 mil trabalhadores, 850 estão mantendo o expediente em serviços considerados essenciais para os alojamentos nos cinco canteiros da obra – principalmente nas áreas de saúde, água e esgoto, segurança patrimonial e alimentação.

Jornal Midiamax