Política / Bastidores

[ BASTIDORES ] Corrida presidencial é o assunto

Da Redação Publicado em 26/11/2021, às 06h30

None

2022

O ex-governador André Puccinelli (MDB) e pré-candidato ao governo de Mato Grosso do Sul nas eleições de 2022, comentou sobre uma possível chapa à presidência da República.

Tem gente melhor 

Questionado sobre a possibilidade da senadora Simone Tebet (MDB), pré-candidata a presidente, ter como vice, o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro (Podemos), Puccinelli foi incisivo. “Eu não chamaria o Moro, tem gente melhor”.

Exemplo

Como exemplo, ele citou o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD).

1% de machismo

Puccinelli disse ainda usar seu 1% de machismo ao comentar que uma chapa com duas mulheres na disputa para presidência, não seria certa. “Chapa com duas mulheres também não, aí estão discriminando os homens”.

Lei Mário da Penha

“Se for assim, vou entrar com a lei do Mário do Penha, se formar chapa de mulher”.

Saia justa

O vai e vem de informações a respeito da pré-candidatura de Henrique Mandetta na corrida presidencial dominou os noticiários na tarde desta quinta. Enquanto Luciano Bivar, presidente do União Brasil, disse que o ex-ministro da Saúde havia desistido da candidatura, Mandetta disse o contrário.

Pegou mal

A situação pegou mal para o recém-criado partido, fruto da fusão do PSL e DEM, e revelou desorganização política na legenda. Mandetta chegou afirmar que houve 'falha de comunicação'. Ele e Bivar conversaram pessoalmente sobre o futuro do partido em 2022 e mesmo assim as informações saíram desencontradas. 

Sou verde e não amarelo

Sobre sua candidatura ao governo, Puccinelli disse que não vai amarelar. “Já sou pré-candidato, já quase sem o pré, não tiro o pré porque a lei não permite. Não vou amarelar, como os adversários estão dizendo”.

Motivacional

Ao publicar convite para sua posse como secretário de Governo de Reinaldo Azambuja (PSDB), o deputado estadual Eduardo Rocha (MDB) fez questão de divulgar mensagem motivacional aos seus seguidores.

Sobrevivência

"Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças", disse o deputado. 

Jornal Midiamax