Política

Em ano eleitoral, há vereador com a certeza de que disputará e outros aguardam convenções e arranjos

Próxima data mais relevante para o pleito eleitoral é a partir de março de 2022

Mayara Bueno e Renata Volpe Publicado em 05/01/2022, às 08h23 - Atualizado às 10h29

Vereadores de Campo Grande eleitos para mandato de 2021 a 2024.
Vereadores de Campo Grande eleitos para mandato de 2021 a 2024. - (Arte: Deyvid Guimarães, Jornal Midiamax)

A pergunta sobre intenções eleitorais para 2022 já foi feita para os 29 vereadores de Campo Grande em 2021, mas, com o início do ano e proximidade de datas decisivas para a política, as respostas ganham tom diferente, em alguns casos — ainda assim, a decisão por eventual candidatura depende das convenções partidárias e arranjos, comentam. 

Airton Araújo (PT) diz que não entrará no pleito eleitoral como candidato, mas ajudará o deputado Amarildo Cruz (PT), que tentará se reeleger, e Flávio Moura, filho do deputado Cabo Almi, que morreu vítima da Covid-19 em maio deste ano, na Câmara Federal. Já o vereador  Betinho (Republicanos) afirma que, a princípio, se coloca como pré-candidato a deputado estadual.

“Todo lugar que eu vou, me perguntam se vou ser candidata. Até mensagem pedindo pra eu sair governadora já me enviaram nas redes sociais. Meu objetivo principal é humanizar a política", afirmou Camila Jara (PT), sem detalhar se será postulante em 2022.

Presidente da Casa de Leis de Campo Grande, Carlos Augusto Borges, conhecido como Carlão (PSB), comenta que o objetivo é 'continuar como vereador', no entanto, se o partido entender que se trata de um 'bom quadro', 'com certeza disputarei'. 

Clodoilson Pires, do Podemos, não deve concorrer 'a nada' neste ano. "Vou cumprir meu mandato". O vereador Coronel Alírio Villasanti (PSL) se coloca como pré-candidato a deputado estadual, priorizando áreas como saúde, transporte coletivo, trânsito e segurança pública. Jamal Salem (MDB) é pré-candidato a deputado federal.

No primeiro mandato, o vereador Dr. Sandro Benites (Patriota) vai esperar a convenção da legenda, que será feita no fim de março, para decidir se disputará como deputado federal, cargo o qual foi convidado.

Victor Rocha, do PP, também recebeu convites, mas disse estar focado no mandato de vereador de Campo Grande. "A Casa Rosa já é uma realidade que conseguimos implantar no primeiro ano de mandato". O vereador Gilmar da Cruz (Republicanos) respondeu que também é pré-candidato a deputado federal.

Do PSD, Junior Coringa afirmou que eventual disputa depende de decisão do prefeito Marquinhos Trad (PSD) quanto à candidatura ao Governo de Mato Grosso do Sul. "Eu vou aguardar para ver qual o partido quer que eu saia, ou candidato a deputado estadual ou federal, mas uma dessas alternativas estou à disposição do partido e para ajudar nosso candidato a governador".

"Pelo trabalho desenvolvido pela capital ao longo da experiência dos três mandatos há sim uma preparação e a possibilidade de disputar o legislativo estadual", comentou Otávio Trad (PSD). 

No segundo mandato como parlamentar em Campo Grande, Papy (SD) conta que seu partido o convida para sair a deputado federal e, por isso, trabalha com esta possibilidade. "Porém diante do quadro ainda imprevisível em Mato Grosso do Sul, ainda aguardo definições mais concretas para me posicionar politicamente".

Professor André Luis (Rede) disse que é pré-candidato a governador do Estado, enquanto o vereador Professor João Rocha (PSDB) ainda não decidiu quanto aos planos eleitorais de 2022. Já o Professor Juari (PSDB) pretende concorrer para deputado federal.

"Meu foco é meu mandato, mas a gente pensa em ter voos mais altos, se o partido achar necessária minha candidatura, eu estou pronto", disse Professor Riverton (DEM) que, caso dispute, será para deputado federal. Ronilço Guerreiro (Podemos) afirma que eventual participação dependerá de quem serão os candidatos a presidente e governador. 

"Estou à disposição do partido. Até brinquei esses dias falando que se me quiserem colocar como suplente de senador eu topo. Mas meu maior desejo mesmo é continuar meu mandato".

Marcos Tabosa (PDT) não pretende disputar, diferente de Tiago Vargas (PDT) que quer tentar vaga de deputado estadual. "Meu partido me convidou, estou pensando se devo sair", respondeu Valdir Gomes (PSD) que, em sinal positivo para disputa, será para deputado de MS. O vereador Zé da Farmácia (Podemos) disse que será candidato a deputado estadual.

Não responderam à reportagem os vereadores Beto Avelar (PSD), Camila Jara (PT), Delei Pinheiro (PSD), Dr. Loester (MDB), Edu Miranda (Patriota), Silvio Pitu (DEM) e Willian Maksoud (PTB).

Jornal Midiamax