Política

'Todos nasceram para serem felizes em Campo Grande', diz Marquinhos ao receber vítima de homofobia

Cirurgião-dentista trabalhava no fim de semana auxiliando na vacinação contra a Covid-19, quando foi vítima de homofobia

Renata Volpe Publicado em 25/08/2021, às 09h41

Gustavo, a mãe e o prefeito Marquinhos Trad
Gustavo, a mãe e o prefeito Marquinhos Trad - Reprodução

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), repudiou o ato de homofobia cometido por uma senhora no último fim de semana, durante a vacinação contra a Covid-19. A vítima, o cirurgião-dentista Gustavo dos Santos Lima, de 27 anos, e a mãe dele, Tânia dos Santos Lima, foram recebidos pelo prefeito na manhã desta quarta-feira (25). 

Gustavo estava trabalhando no auxílio da vacinação nas dependências do Pavilhão Albano Franco, quando uma mulher impediu que a filha fosse vacinada pelo profissional e ainda promoveu ofensas de caráter homofóbico. 

O prefeito lamentou o ocorrido. “Nossa cidade repudia e lamenta o ato cometido por aquela senhora. Ela já deve ter sentido a dor e visto o equívoco dela e que isso não aconteça mais”.

Marquinhos se solidarizou com o jovem. “Estamos nos solidarizando e dizendo não a qualquer ato, ação e gesto de homofobia na nossa cidade. No aniversário da cidade, não podemos ter exemplo negativo. Os seus princípios, valores, não são mensurados pela opção de vida que você escolheu levar”.

A mãe de Gustavo que o acompanhou, foi às lágrimas com as palavras do prefeito. “Pode chorar dona Tânia, minha mãe choraria também. O choro não é dos fracos, é dos fortes e aqueles que têm dignidade e honra lacrimejam pela dor de um filho e de uma injustiça”, disse o prefeito à mãe do jovem.

Tânia disse que a mulher que ofendeu seu filho, precisa responder pelo ato criminal. “Meu filho poderia estar em casa com a gente, mas estava ajudando. Ela tem que responder pelo ato criminal, vai ter que pagar na justiça, meu filho não fez nada para ela, estava trabalhando”.

Gustavo afirmou que a homofobia mexeu com ele. “Ainda estou muito abalado, preciso das mãos para trabalhar e a mente para conseguir trabalhar, mas ainda não consegui, porque mexeu com meu psicológico”.

Por fim, Marquinhos disse que Campo Grande lamenta o ocorrido. “Campo Grande discorda da forma de comportamento de quem proferiu palavras homofóbicas em desfavor ao cidadão do estado. Campo Grande presta solidariedade a ele e à mãe. O estado é laico, aqui todos nasceram para viver, ser felizes e tementes a Deus”.

Confira o vídeo:

Jornal Midiamax