Política

Reinaldo culpa MPMS e TCE-MS por 7º ano sem reajuste para servidores estaduais

Após fugir de pergunta e 'saída' repercutir mal, governador resolveu responder nesta sexta

Evelin Cáceres e Dayene Paz Publicado em 04/06/2021, às 12h43 - Atualizado às 12h43

Reinaldo Azambuja, após fugir de pergunta e causar mal estar entre servidores, culpou TCE e MPMS sobre reajuste zero
Reinaldo Azambuja, após fugir de pergunta e causar mal estar entre servidores, culpou TCE e MPMS sobre reajuste zero - Marcos Ermínio

Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) culpou nesta sexta-feira (4) o TCE-MS (Tribunal de Contas Estadual de Mato Grosso do Sul) e o MPMS (Ministério Público Estadual) para não reajustar o salário dos servidores públicos. Azambuja disse também que assim o fez para não judicializar a questão deixando, pelo 7º ano consecutivo, os funcionários sem reajuste.

Após fugir da pergunta na última aparição pública, culpar a imprensa e o fato repercutir mal entre os servidores, Reinaldo resolveu falar nesta sexta. Novamente pedindo para ‘publicarem tudo o que for falado’, Azambuja acabou culpando os órgãos de controle pelo reajuste zero.

O líder do executivo estadual reiterou, ainda, que os servidores teriam ‘ganho substancial’ de 73% nos últimos 6 anos, já que o IPCA acumulado foi de 46%.

“Só gostaria de pedir para vocês publicarem tudo o que eu falar porque vocês têm sido meio seletivos na escolha do que a gente fala. Eu estava pronto para dar um reajuste e recebi uma recomendação do Ministério Público Estadual e do Tribunal de Contas dizendo para não dar o reajuste, dizendo que eles iam judicializar contra o Estado. Esse é o motivo. Então não é o Estado não querer, é [sic] os órgãos de controle dizendo para não fazer e aí nós respeitamos. Nós estamos conversando com todas as categorias”.

 O vídeo completo com a fala do governador por ser conferido logo abaixo.

Fugindo

Na última quarta-feira, o governador negou-se a explicar porque não dará reajuste pelo 7º ano seguido para os servidores públicos estaduais, mesmo com dinheiro em caixa por conta do arrocho fiscal que tem aplicado e superávit na receita de MS.

Reinaldo foi questionado durante coletiva de imprensa em agenda pública nas imediações da Governadoria e que deu início às obras de revitalização do Parque dos Poderes, com investimento de R$ 18,922 milhões.

Na coletiva, o governador ignorou o Jornal Midiamax. Após atender amistosamente equipes de outros jornais, que limitaram-se a perguntar sobre as obras, Reinaldo foi novamente abordado pelo Midiamax e atacou a equipe de reportagem.

"Eu não vou responder, mesmo porque vocês não escrevem o que eu falo. Eu não falo com vocês porque vocês não escrevem o que eu falo. O dia que você escrever o que eu falo, eu te respondo. Dá licença, dá licença...".

Jornal Midiamax destaca que a afirmação do governador é inverídica. Na realidade, a empresa segue todos os ditames do bom jornalismo, procurando todas as partes envolvidas no processo de apuração e disponibilizando espaço para posicionamento, inclusive, após a publicação dos materiais.

O que ocorre é justamente o contrário: diversas solicitações de informações e de posicionamento nem sequer respondidas pela assessoria do governador. Em fato, Reinaldo Azambuja já chegou a processar o Jornal Midiamax referente à publicação de reportagem, alegando haver fatos inverídicos e que lhe foi negado direito de resposta. O que não ocorreu, tanto que a sentença de primeiro grau determinou arquivamento da ação.

Jornal Midiamax reitera seu compromisso com a verdade e com o jornalismo de qualidade, seguindo aberto a publicar posicionamento de envolvidos em nossas matérias, inclusive o governador de Mato Grosso do Sul. E segue questionando qual cálculo, afinal de contas, impossibilitou reajuste salarial mesmo com as contas em azul.

Jornal Midiamax