Política

Presidente do MDB diz que Eduardo Rocha deve assumir cargo no Governo

Partido diz que decisão do deputado não muda planos da candidatura de Puccinelli ao Governo

Dândara Genelhú Publicado em 08/11/2021, às 18h47

Paulo Duarte deve ser suplente de Eduardo Rocha na Alems.
Paulo Duarte deve ser suplente de Eduardo Rocha na Alems. - Foto: Reprodução | Alems.

O deputado estadual Eduardo Rocha (MDB) deve assumir cargo no Governo do Estado. Quem afirma a movimentação é o presidente estadual do MDB (Movimento Democrático Brasileiro), Junior Mochi.

“Ele vai se licenciar do MDB porque ele estava aceitando um convite pessoal do governador para assumir a secretaria do governo”, explica. Para o presidente, essa é uma “decisão pessoal dele”.

Eleito em 2018, Eduardo Rocha recebeu 22.347 e foi o 14º deputado estadual mais votado de MS. Então, o presidente do partido afirma que “como ele já decidiu que não será candidato na eleição de 2022, está disposto a aceitar o convite e concluir o mandato dele na secretaria do governo”.

Eduardo Rocha é o 1º vice-presidente da Assembleia Legislativa, cargo da Mesa Diretora que ficará vago. Assim, o regimento interno da Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) prevê que seja realizada uma nova eleição do cargo. "A eleição respectiva deverá ser feita dentro de cinco sessões ordinárias subsequentes à declaração", informa a norma.

Com a saída de Eduardo, Paulo Duarte assume a vaga na Alems como suplente. Casado com a senadora Simone Tebet, a confirmação do deputado no governo abre naturalmente especulações com relação às eleições de 2022. Apesar da movimentação no partido, Mochi garante que o candidato ao Governo em 2022 é André Puccinelli.

“É o Puccinelli, o MDB tem isso claro. A saída não tem nada a ver com o MDB, é uma decisão pessoal, atendendo a um convite pessoal que foi feito a ele”, destaca. Ao Jornal Midiamax, Puccinelli afirmou que “só não seria pré-candidato se adoecesse ou morresse”.

O Jornal Midiamax tentou contato com o deputado Eduardo Rocha, mas não houve retorno. O espaço segue aberto para manifestação.

Jornal Midiamax