Política

Presidente da Câmara Federal convoca reunião para analisar prisão de deputado

O presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP-AL), convocou reunião extraordinária, nesta quarta-feira (17), às 13 horas (horário de Brasília), para discutir a situação do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) – preso em flagrante na terça-feira (16) após publicar vídeo no qual faz apologia ao AI-5 e defende a destituição de ministros do STF (Supremo […]

Mayara Bueno Publicado em 17/02/2021, às 09h10 - Atualizado às 13h23

Deputado Arthur Lira em Campo Grande (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo).
Deputado Arthur Lira em Campo Grande (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo). - Deputado Arthur Lira em Campo Grande (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax, Arquivo).

O presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP-AL), convocou reunião extraordinária, nesta quarta-feira (17), às 13 horas (horário de Brasília), para discutir a situação do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) – preso em flagrante na terça-feira (16) após publicar vídeo no qual faz apologia ao AI-5 e defende a destituição de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), ambos atos considerados inconstitucionais.

“Vamos, em conjunto, avaliar e discutir a prisão do deputado Daniel Silveira”, publicou o dirigente em sua conta  no twitter. Depois do encontro às 13 horas e, na sequência, será feira uma reunião com o Colégio de Líderes.

No vídeo, Daniel ataca os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes – que determinou a prisão -, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Melo e Dias Toffoli. A determinação inclui, ainda, a retirada do vídeo divulgado pelo parlamentar no Youtube.

O AI-5 é considerado o mais duro instrumento de repressão da ditadura militar. Mesmo em flagrante e por crime inafiançável, a prisão de um deputado federal deve passar pelo aval da Câmara Federal, por isso a reunião marcada pelo presidente. Daniel Silveira foi preso no fim da noite de ontem em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro (RJ) – após passar por exames no IML (Instituto Médico Legal), foi levado para o prédio da PF (Polícia Federal).

Jornal Midiamax