Política

Em visita à Russia, Ministra Tereza Cristina garante a continuidade da exportação de fertilizantes ao Brasil

A ministra se reuniu com autoridades e empresários em Moscou e teve como principal agenda assuntos relacionados à exportação de fertilizantes

Lucas Mamédio Publicado em 17/11/2021, às 15h48

Ministra com o CEO da empresa russa PhosAgro, Andrey Guryev
Ministra com o CEO da empresa russa PhosAgro, Andrey Guryev - (Foto: Divulgação)

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina (DEM), se reuniu, nesta quarta-feira (17), com autoridades e empresários da Rússia, em Moscou, para falar sobre o fornecimento de fertilizantes para o Brasil. Segundo a ministra, todos garantiram que não vão deixar de cumprir os contratos de fornecimento de fertilizantes ao Brasil, com possibilidade de aumentar o volume de exportações. 

"Tivemos aqui a garantia, tanto do governo russo quanto das empresas de fertilizantes, de que nós não teremos problemas com a entrega de fertilizantes, tanto de potássio quanto dos fosfatos", anunciou a ministra.

O Ministro do Desenvolvimento Econômico da Rússia, Maksim Reshetnikov, assegurou a manutenção do fornecimento ao Brasil de fertilizantes de potássio e fosfato e, se possível,  aumento de exportações para a próxima safra. “O ministro reforçou que o Brasil é um parceiro estratégico e que podemos ficar absolutamente tranquilos com o fornecimento de potássio e fósforo”, comemorou Tereza Cristina, após o encontro. 

A ministra brasileira se reuniu com o vice-presidente da produtora global de fertilizantes minerais complexos Acron, Vladimir Kantor, que garantiu o aumento de ao menos 10% das exportações de fertilizantes para o Brasil. Ele também informou sobre  o prosseguimento das negociações para a aquisição dos ativos daPetrobras da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN-3), em Três Lagoas (MS).

O CEO da empresa russa PhosAgro, Andrey Guryev, também garantiu o fornecimento de fertilizantes ao Brasil. “O Brasil pode contar conosco como parceiro para garantir fornecimento de fertilizantes ao Brasil”, disse Guryev à ministra Tereza Cristina. A holding química russa é produtora de fertilizantes, fosfatos e fosfatos para alimentação animal, sendo um dos principais fabricantes mundiais de fertilizantes fosfatados. 

A ministra Tereza Cristina disse que ouviu do CEO da EuroChem, Vladimir Rashevskiy, planos de investimentos da empresa no Brasil para aumento da produção nacional de fertilizantes. A EuroChem é líder mundial na produção de fertilizantes nitrogenados, fosfatados e potássicos. 

O objetivo da viagem da ministra é abrir negociação com os principais fornecedores de fertilizantes, produto essencial para a produção agropecuária que enfrenta restrições na oferta mundial.   

Parceria

A Rússia representa cerca de 20% do total de fertilizantes importados pelo Brasil. Recentemente, o governo russo anunciou restrições às exportações de fertilizantes nitrogenados por meio de cotas de exportação pelo período de seis meses a partir de 1º de dezembro, com o objetivo de evitar escassez no mercado interno.

As reuniões foram acompanhadas pelo secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Orlando Leite Ribeiro, pelo diretor do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos, Jean Marcel Fernandes, e pelo embaixador do Brasil na Rússia, Rodrigo Baena.    

Nesta quinta-feira (18), Tereza Cristina deve se reunir com o CEO da Uralkali, produtora e exportadora russa de fertilizantes à base de potássio. 

Exportações de carne

Tereza Cristina também se reuniu em Moscou com o chefe do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia, Sergey Dankvert, que garantiu a realização de uma visita de inspeção ao Brasil, ainda no primeiro  trimestre de 2022, o que possibilitará a habilitação de novas plantas frigoríficas brasileiras para exportação. 

O governo Russo anunciou que abrirá uma cota de 300 mil toneladas de carne (200 mil toneladas de carne bovina e 100 mil toneladas de carne suína) com tarifa zero de importação por seis meses, mercado que pode ser utilizado pelo Brasil. A tarifa de importação hoje, até 530 mil toneladas, é de 15%.

Veja o que a ministra disse sobre a visita oficial em sua conta do Instagram:

Jornal Midiamax