Política

Em desdobramento da Uragano, Justiça condena ex-vereadores de Dourados por desvios de recursos

Sentença foi proferida pelo juiz Luiz Alberto de Moura Filho nesta terça-feira (8)

Marcos Morandi Publicado em 09/06/2021, às 12h12

Policiais federais durante apreensão de documentos da Uragano, em setembro de 2010
Policiais federais durante apreensão de documentos da Uragano, em setembro de 2010 - Dourados Agora/Arquivo/Hedio Fazan

Onze anos depois, quatro ex-vereadores de Dourados são condenados por desvios de recursos pagamentos de propinas. As sentenças do juiz Luiz Alberto de Moura Filho estão relacionadas aos crimes relatados na Operação Uragano, da Polícia Federal e que envolveu o ex-prefeito Ari Artuzzi.

As sentenças estão embasadas em provas apresentadas pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) contra Marcelo Luiz Lima Barros, Gino José Ferreira, Paulo Henrique Amos Ferreira, também conhecido como “Bambu” e Aurélio Luciano Pimentel Bonatto.

Além dos ex-vereadores, também foram condenados Sidnei Donizeti Lemes Heredias, Valmir da Silva, Edmar Reiz Belo e Fabio Andrade Leite. "(...) uma quadrilha composta por agentes políticos, funcionários públicos e empresários instalou-se clandestinamente nas entranhas dos Poderes Executivo e Legislativo do Município de Dourados”, pondera o magistrado no início da sentença.

Ainda segundo o magistrado, “considerando que os acusados se encontram soltos e constituíram patronos nos autos, intimem-se-os acerca desta sentença na pessoa de seus advogados, nos termos do artigo 392, inciso II, do Código de Processo”, pontuou Luiz Alberto de Moura Filho, que também suspendeu os direitos políticos dos sentenciados.

O ex-vereador Marcelo Luiz Lima Barros, recebeu pena seis anos e oito meses de reclusão, enquanto que Gino José Ferreira, 13 anos e quatro meses. Seu colega Paulo Henrique Amos Ferreira recebeu a pena 10 anos, seis meses e 20 vinte dias de reclusão. Já Aurélio Luciano Pimentel Bonatto, recebeu a pena de 17 anos e oito meses de reclusão.

A reportagem do Midiamax apurou que Marcelo Barros é policial civil, Gino José Ferreira é produtor rural e ex-presidente do Sindicato Rural de Dourados, enquanto que Aurélio é lotado no gabinete do deputado estadual Neno Razuk (PTB).

Já Paulo Henrique Amos Ferreira, o “Bambu”, desde o dia 22 de abril de 2021, ocupa o cargo de DCA (Direção Gerencial Superior) no Governo do Estado. Sua nomeação foi publicada na página 70 do DOE (Diário Oficial do Estado) número 10.480, também de 22 de abril.

Jornal Midiamax