Política

Deputado quer suspensão do prazo de realização da CPI da Energisa até dezembro

Presidente da Comissão afirma que reuniões infringem protocolos de segurança da Alems

Dândara Genelhú Publicado em 18/10/2021, às 12h53

Ato da Mesa Diretora restabeleceu prazo para 16 de outubro.
Ato da Mesa Diretora restabeleceu prazo para 16 de outubro. - Foto: Reprodução.

O presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Energisa, deputado Felipe Orro (PSDB), quer que o prazo de realização dos trabalhos seja suspenso até 22 de dezembro deste ano. O requerimento foi protocolado na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) na última sexta-feira (15).

No texto, o parlamentar lembra que o Ato nº 23/2021 restabelece o prazo da tramitação da CPI da Energisa a partir de 16 de outubro. No entanto, mantém a suspensão de eventos coletivos com presença de público externo até dezembro.

Então, o deputado afirma que os encontros da CPI infringem o protocolo de segurança contra Covid-19, estabelecido pela Alems. Assim, justifica que as sessões da Comissão são “acompanhadas por membros do Ministério Público, Defensoria Pública, OAB, Procon e por representantes da empresa Energisa”.

Além de informar que a Comissão está na fase de retirada de medidores, que, segundo o parlamentar, necessita de “contato direto com os consumidores e suas famílias”. Felipe destaca que esses são motivos para que “a suspensão do prazo de tramitação da CPI” seja adotada.

Assinam com o presidente da CPI da Energisa, o deputado Capitão Contar (sem partido) e o deputado Renato Câmara (MDB). Os parlamentares são relator e membro da Comissão, respectivamente.

Jornal Midiamax