Política

Com dois do DEM e um do PSL, Assembleia Legislativa de MS teria três deputados do União Brasil

No entanto, não há como confirmar que a bancada permanecerá, uma vez que parlamentares podem deixar atuais siglas

Mayara Bueno Publicado em 08/10/2021, às 09h15 - Atualizado às 11h05

Assembleia Legislativa de MS, no Parque dos Poderes
Assembleia Legislativa de MS, no Parque dos Poderes - (Foto: Divulgação, Arquivo)

O União Brasil, partido formado pela fusão do DEM e PSL, ainda precisa de homologação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), mas, no que se refere aos integrantes das duas legendas na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, a nova sigla teria bancada de três deputados estaduais. Na Câmara Municipal de Campo Grande, o número é o mesmo e também igual na distribuição.

Barbosinha e Zé Teixeira são parlamentares estaduais pelo DEM e Renan Contar é o único do PSL — que aguarda apenas a janela partidária para sair. "Minha intenção é seguir o presidente [Jair Bolsonaro] e poder apoiá-lo integralmente em 2022. Aguardo a definição deste rumo, ressaltando que não me importa tempo de TV ou recursos partidários".

Já na Casa de Leis do município, Professor Riverton e Silvio Pitu atualmente são do DEM e Coronel Alírio Villasanti representa o PSL. A convenção das duas siglas aconteceu na quarta-feira (6), em Brasília, com ambas aprovando a fusão. Ministro do Trabalho e da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e filiado ao DEM, Onyx Lorenzoni, votou contrário à união dos partidos.

A expectativa é que a fusão forme a maior legenda do Brasil, embora o processo possa levar à saída de vários filiados. A Justiça Eleitoral ainda precisa validar a medida, o que pode levar três meses.

Jornal Midiamax