Política

Com bancada feminina, Simone cobra ministro da Saúde sobre vacina, kit intubação e tratamento precoce

Reunião foi realizada na semana que antecede o início da CPI da Pandemia no Senado

Jones Mário Publicado em 21/04/2021, às 14h36

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) durante encontro virtual com ministro Marcelo Queiroga
Senadora Simone Tebet (MDB-MS) durante encontro virtual com ministro Marcelo Queiroga - Divulgação/Assessoria

A bancada feminina no Senado, liderada por Simone Tebet (MDB-MS), se reuniu com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na noite de ontem (20). Durante o encontro, realizado à distância, as parlamentares questionaram e cobraram o titular da pasta sobre as ações de enfrentamento à pandemia de covid-19.

Segundo divulgado pela assessoria de imprensa de Simone Tebet, Queiroga foi perguntado sobre o ritmo da distribuição de vacinas e de entrega de medicamentos do kit intubação a estados e municípios.

O ministro respondeu que a falta de insumos, medicamentos e imunizantes não é exclusiva do Brasil. Além disso, negou que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) foi displicente com relação à compra de vacinas, mas reconheceu atrasos na entrega das doses efetivamente contratadas.

[Colocar ALT]
Ministro Marcelo Queiroga e equipe de mulheres da pasta se reuniram com senadoras nesta terça-feira - Divulgação/Assessoria

A bancada feminina no Senado mandou ofício à OMS (Organização Mundial de Saúde) para alertar sobre a situação da pandemia no Brasil. A carta ainda teve o propósito de sensibilizar empresas e laboratórios a enviarem com mais rapidez medicamentos usados no procedimento de intubação de pacientes da covid-19.

Simone e as demais senadoras também questionaram sobre tratamento precoce, campanhas de conscientização da população, diretrizes sobre inclusão de pessoas com comorbidade e deficiências nos grupos prioritários da vacina e redução no orçamento da Saúde.

Marcelo Queiroga indicou meta de voltar a imunizar 1 milhão de pessoas por dia. Além disso, destacou uma mudança de conduta no ministério em relação à gestão anterior, do general Eduardo Pazuello. Segundo ele, desde sua chegada se restabeleceu o uso obrigatório de máscaras, álcool em gel e medidas de distanciamento.

O novo ministro, médico cardiologista, ainda afirmou que formou uma equipe técnica, composta por profissionais comprometidos com a Ciência. Ele atendeu as senadoras com um time de assessoras.

Sobre tratamento precoce - muitas vezes incentivado por Bolsonaro, embora os medicamentos usados não sejam eficazes contra a covid-19 e possam até acelerar uma eventual morte -, Queiroga se posicionou contrário. O ministro completou dizendo que é favorável ao atendimento médico imediato quando manifestados os primeiros sintomas da doença.

A reunião foi realizada na semana que antecede o início dos trabalhos da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Pandemia no Senado. A primeira reunião do grupo que vai investigar as ações - ou a inércia - do governo federal perante a emergência em Saúde será na próxima terça-feira (27).

Jornal Midiamax