Política

Cabo Almi tinha diferencial grande; deputados prestam homenagem ao parlamentar morto pela Covid-19

Deputado estadual foi vereador em Campo Grande e atuou na Alems por três mandatos

Renata Volpe Publicado em 26/05/2021, às 11h12

Deputados lamentaram a morte do colega, Cabo Almi
Deputados lamentaram a morte do colega, Cabo Almi - Reprodução

A emoção tomou conta dos deputados estaduais na manhã desta quarta-feira (26), ao lembrarem do deputado Cabo Almi (PT), morto pela Covid-19 na última segunda-feira (24). 

Elogios não faltaram para definir e homenagear o deputado. Ele era simples, foi o que mais os parlamentares disseram hoje. 

Lídio Lopes (Patriota) acompanhou o velório e sepultamento de Cabo Almi. Disse ter sido vereador de Campo Grande junto com ele. “Independente de cores de bandeiras siglas partidárias, sempre fomos amigos. Cabo Almi tinha diferencial grande, trabalho social forte de atender as pessoas com dedicação e esmero”.

Eduardo Rocha (MDB) afirmou que o colega vai deixar muita saudade. “Ele atendia muita gente no gabinete, na sua casa. É um político que tenho orgulho de ter amizade, ele era sincero e nunca falava mal de ninguém”.

Amigo de partido e de vida, Pedro Kemp (PT) estava emocionado. “Era uma pessoa simples, prestativa que sempre atendia todo mundo com muito carinho. Abria a porta das sua casa para todo mundo”.

Kemp relembrou a história do amigo. “Era filho de lavradores, veio morar em Campo Grande em 1982, trabalhou como cobrador de ônibus, se formou como torneiro mecânico. Prestou concurso para soldado da polícia, foi aprovado no concurso para cabo em 1988 e em 1996 foi eleito vereador,sendo reeleito por mais três mandatos até assumir a vaga de deputado em 2011”.

Segundo Kemp, Cabo Almi foi deputado estadual muito atuante, sempre defendeu a segurança pública, os trabalhadores, os mais pobres, a reforma agrária, as comunidades indígenas e foi muito atuante nas periferias. “É uma perda muito grande para o partido, fica uma lacuna enorme a ausência dele que trazia ao partido a representação dos pobres e ele não tinha horário, sempre tinha tempo para se dedicar a suas causas, a defesa das pessoas que mais necessitavam”.

Barbosinha (DEM) se emocionou ao lembrar do colega. “Cabo Almi tem sua história, sua representação, sempre de casa aberta, portas abertas. Ele vai, mas o legado do bom exemplo de se fazer política e caminhar ao lado dos mais assistidos, fica”.

Ele sempre fez questão de referenciar Lagoa Bonita, onde vivia. “Quero externar minha consternação, minha tristeza. É o segundo deputado que perdemos, não é gripezinha, é doença terrível que demanda que a gente tenha cautela”.

Renato Câmara (MDB) afirmou que o colega lutou e defendeu tudo que podia, as pautas que acreditava. “Sempre ouvi falar de um moço de Lagoa B Bonita do lado de Ivinhema que virou vereador, achava feito extraordinário, como ele conseguiu chegar até aqui. E foi pela simplicidade”. 

Jornal Midiamax