Política

Subsecretaria de Comunicação de MS lamenta morte de jornalista por Covid-19

A Subcom-MS (Subsecretaria de Comunicação de Mato Grosso do Sul) emitiu nota na manhã desta quinta-feira (31) lamentando a morte do jornalista Guilherme Filho em decorrência da Covid-19. O profissional tinha 64 anos e esteve internado por quase um mês. “A morte de Guilherme Filho abre lacuna no jornalismo de Mato Grosso do Sul, mas […]

Adriel Mattos Publicado em 31/12/2020, às 12h17 - Atualizado às 12h20

Jornalista estava internado há 22 dias (Foto: CBN Campo Grande)
Jornalista estava internado há 22 dias (Foto: CBN Campo Grande) - Jornalista estava internado há 22 dias (Foto: CBN Campo Grande)

A Subcom-MS (Subsecretaria de Comunicação de Mato Grosso do Sul) emitiu nota na manhã desta quinta-feira (31) lamentando a morte do jornalista Guilherme Filho em decorrência da Covid-19. O profissional tinha 64 anos e esteve internado por quase um mês.

“A morte de Guilherme Filho abre lacuna no jornalismo de Mato Grosso do Sul, mas deixa legado de amor e fé na profissão”, diz trecho da nota.

Começou a carreira no extinto jornal Diário da Serra. Ao longo dos anos, assessorou governos e políticos, chegando a comandar os setores de comunicação da Prefeitura de Campo Grande e do Governo do Estado.

Segundo a família, o velório será restrito devido às medidas de contenção contra o novo coronavírus, a partir das 13h30, no Cemitério Jardim das Palmeiras.

Pesar

Diversos políticos também lamentaram a morte do jornalista. O Sindjor-MS (Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso do Sul) também emitiu nota.

“A classe jornalística de Mato Grosso do Sul perde um grande profissional, de fino trato com as palavras, e amigo de todos. Será sempre lembrado pelo seu profissionalismo, ética e extrema generosidade, traços que certamente marcaram a vida profissional de muitos”, diz o texto.

Na rede social Facebook, a senadora Simone Tebet (MDB) lembrou que conheceu o profissional quando ele comandava a pasta da Comunicação na gestão de André Puccinelli (MDB).

O senador Nelson Trad Filho (PSD) enfatizou em sua publicação que Filho esteve em diversos momentos da carreira política do parlamentar. “Uma das passagens que mais me marcou na nossa longa convivência foi como ele voltou espiritualizado de uma ida a Belém do Pará, após acompanhar a procissão do Círio de Nazaré. Guilherme lia como ninguém a política do nosso Estado, muito inteligente e perspicaz, ele escrevia com o coração e fará falta certamente”, escreveu.

O deputado estadual Neno Razuk (PTB) citou que o profissional trabalhou ao lado do pai, o ex-deputado Roberto Razuk, e depois ao lado dele. “A cada conversa era um aprendizado. Um encaminhamento esclarecedor. Sorrisos largos. Palavras e afeto. Histórias que só ele sabia contar”, destacou.

Em nota, o MDB lembrou os momentos em que o jornalista em campanhas e gestões da legenda. 

“Guilherme Filho deixa um legado na imprensa sul-mato-grossense e também na política do Estado. Sempre atuante nos bastidores era conhecido por sua inteligência e carisma”, diz o texto assinado pelos presidentes estadual, Junior Mochi e municipal, Ulisses Rocha.

Jornal Midiamax