Política

Requerimento dá 72 horas para Detran-MS explicar placas mais caras do Brasil

Três deputados estaduais protocolaram nesta quarta-feira (05) requerimentos pedindo explicações sobre os valores cobrados pelas empresas credenciadas pelo Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) pelas novas placas nos moldes do Mercosul, que entraram em vigor na última segunda-feira (3) cobrando os valores mais altos do País.  Dentre eles, documento a...

Danúbia Burema Publicado em 05/02/2020, às 18h03 - Atualizado em 06/02/2020, às 09h31

Foto: Divulgação | Procon-MS
Foto: Divulgação | Procon-MS - Foto: Divulgação | Procon-MS

Três deputados estaduais protocolaram nesta quarta-feira (05) requerimentos pedindo explicações sobre os valores cobrados pelas empresas credenciadas pelo Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) pelas novas placas nos moldes do Mercosul, que entraram em vigor na última segunda-feira (3) cobrando os valores mais altos do País. 

Dentre eles, documento assinado pelo deputado estadual Cabo Almi (PT) confere prazo de 72h para o diretor-presidente do Detran-MS, Luiz Carlos da Rocha Lima, levar pessoalmente documentos que respondam a questionamentos voltados ao valor elevado da cobrança. O primeiro deles é se existe algum estudo para auxiliar na redução dos preços.

No requerimento, de n.º 31/2020, o parlamentar também questiona sobre o valor mais caro de placa dentre os estados do País e quer saber quais os critérios para habilitação de empresas junto ao Detran-MS para venda da placa e, também, se nesse credenciamento é levado em conta o preço final.

O segundo requerimento, de n.º 52/2020, é assinado pelo deputado estadual Capitão Contar (PSL) e pede que Detran-MS e Governo do Estado tomem providências urgentes para fiscalizar o cumprimento, por parte das credenciadas, do dever de disponibilizar informações claras sobre os processos e o preço final das placas.

Já no pedido n.º 66/2020, o deputado Felipe Orro (PSDB) pede que o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul) compartilhe as informações prestadas pelas empresas, após terem sido notificadas devido ao preço cobrado. 

Jornal Midiamax