Política

PSL nacional arquiva pedido de punição contra Coronel David

Com malas prontas para deixar o PSL sem riscos, o deputado estadual Coronel David afirmou nesta quarta-feira (5) que o diretório nacional do partido recusou pedido de punição contra ele, apresentado em 2019 pela executiva de Mato Grosso do Sul. Comandada no Estado pela senadora Soraya Thronicke, a sigla acionou a Comissão de Ética do […]

Mayara Bueno Publicado em 05/02/2020, às 10h59 - Atualizado às 14h52

Deputado Coronel David também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax pela liderança (Luciana Nassar, ALMS).
Deputado Coronel David também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax pela liderança (Luciana Nassar, ALMS). - Deputado Coronel David também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax pela liderança (Luciana Nassar, ALMS).

Com malas prontas para deixar o PSL sem riscos, o deputado estadual Coronel David afirmou nesta quarta-feira (5) que o diretório nacional do partido recusou pedido de punição contra ele, apresentado em 2019 pela executiva de Mato Grosso do Sul.

Comandada no Estado pela senadora Soraya Thronicke, a sigla acionou a Comissão de Ética do PSL em âmbito nacional. Na ocasião, alegou que Coronel David agiu contrário ao partido por ter votado à favor de homenagem ao ex-senador Delcídio do Amaral, hoje no PTB, e também por ter dado votos a projetos de leis diferentes do deputado Renan Contar (PSL), na Assembleia Legislativa. “Eu não sou capacho de ninguém”, disse em um momento da entrevista.

Com o papel em mãos, o parlamentar acusado pelo PSL em MS afirmou que o Conselho de Ética se posicionou contrário ao andamento da representação, alegando que seria competência do partido no Estado. “Eu sempre agi com correção, defendendo aquilo que julgava pertinente. O que falaram sobre mim virou um monte de coisa, para mim fofoca que colocaram no papel, e não foram competentes para colocar provas que pudessem, de alguma forma, me prejudicar”.

Enquanto isso, Coronel David também aguarda decisão do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de MS) sobre o pedido para deixar o PSL sem correr o risco de perder o mandato. Ele acredita que a resposta saia em até 30 dias.

Jornal Midiamax